DOSSIÊ AJAX

Por @maiiron_ O Ajax, gigante, berço do Futebol Total, uma das grandes escolas de futebol mundial, que nos deu Rinus Michels, Cruyff e outros, ficou 21 anos longe de uma final europeia. Voltou esse ano! O time de Peter Bosz desbancou adversários fortes como Schalke 04, Lyon e fez dois ótimos enfrentamentos contra o Celta de […]

Por @maiiron_

O Ajax, gigante, berço do Futebol Total, uma das grandes escolas de futebol mundial, que nos deu Rinus Michels, Cruyff e outros, ficou 21 anos longe de uma final europeia. Voltou esse ano! O time de Peter Bosz desbancou adversários fortes como Schalke 04, Lyon e fez dois ótimos enfrentamentos contra o Celta de Vigo do ótimo Eduardo Berrizzo na fase de grupos da Liga Europa.

Mas vocês lembram como começou a temporada dos ajacieden? Nós lembramos! Tudo começou com uma janela de transferências arriscada, que teve a  venda Bazoer, Cillessen, Milik e El Ghazi, que não aceitou bem a reserva. Trouxeram Sánchez, Cassierra e o ótimo Dolberg. Eram todos nomes desconhecidos do grande público europeu. Logo de cara uma humilhante eliminação nos playoffs da Champions League contra o Rostov, com um empate em casa e um retumbante  4 a 1 na Rússia. A equipe também patinou na pré-temporada, com só uma vitória. De início penou na Eredivisie, com derrota para o Willem II em Amsterdam e um empate contra o Roda JC. Peter Bosz, antes de fazer a equipe “pegar no breu”, testou 5-3-2 e o 4-1-4-1, sem sucesso. Bosz se voltou à essência do Ajax. Recorreu ao 4-3-3 com um volante e dois interiores; os pontas dando amplitude e mobilidade, com Dolberg flutuando entre as linhas tanto para armar jogadas como para finalizar.

CqDU0tNXYAAS5GS

O Ajax tem um modelo marcante de jogo. É assustador o ritmo que eles impõem durante a partida, sendo incisivos em todas as fases. Quase não tem pausa, não tem um respiro para a equipe adversária.

A pressão na bola é incisiva, mas com perseguições individuais longas, a equipe se vê obrigada a fazer a “compensação”, que é o ato de cobertura de todos jogadores que saem do seu espaço na hora de dar o bote.

Mas há um problema: quando as perseguições longas dão errado, os espaços gerados colocam gente na entrelinha sem marcação e até na cara do gol.

O Ajax é um time tradicional na forma de atacar pelos lados do campo. Aposta na triangulação pelos lados, mas também não abdica do 1-1 e liberdade criativa dos pontas buscando o fundo ou partindo pra dentro. O jogo associativo do Ajax é uma escola bem antiga; de Michels, de Cruyff, que Bielsa usou, Guardiola potencializou com o jogo posicional, e bem utilizada na equipe de Peter Bozs. Schöne é o “carimbador maluco”. O volante de saída é quem dá as cartas com Klaasen e Ziyech, sempre progredindo por dentro e usando amplitude dos lados.

Kasper Dolberg é o atacante da moda na Europa. Jovem, com 18 anos, chama a atenção pela versatilidade. Sai de dentro para os lados gerando apoio; tem o jogo por dentro, nas costas dos volantes e constantemente dá opção para os pontas infiltrarem.

Na batalha que vai ser contra o United, o Ajax joga com a tranquilidade de ser um franco-atirador. O time de Mourinho tem, além da tradição recente, jogadores mais afirmados, como Pogba, De Gea, Mata e Ander Herrera. Mas se o Manchester quiser vencer, precisa abrir o olho contra o jovem e perigoso Ajax de Peter Bosz.

Compartilhe

Comente!

Tem algo a dizer?

Últimas Postagens

Como Carille livrou o Santos do rebaixamento
Gabriel de Assis

Como Carille livrou o Santos do rebaixamento

0 Comentários
Juan Musso: a evolução de um goleiro discreto na Atalanta
Caio Bitencourt

Juan Musso: a evolução de um goleiro discreto na Atalanta

0 Comentários
Como Stefano Pioli virou um dos melhores técnicos da Itália
Caio Bitencourt

Como Stefano Pioli virou um dos melhores técnicos da Itália

0 Comentários
Palmeiras x Flamengo: final imprevisível na Libertadores
Gabriel de Assis

Palmeiras x Flamengo: final imprevisível na Libertadores

0 Comentários
A renovação do Real Madrid é um recado para os erros passados, mas principalmente para o futuro
Bruna Mendes

A renovação do Real Madrid é um recado para os erros passados, mas principalmente para o futuro

0 Comentários
A ascensão de Mikael no Sport
Douglas Batista

A ascensão de Mikael no Sport

0 Comentários
A explosão da geração 06 na Copa Nike
Caio Nascimento

A explosão da geração 06 na Copa Nike

0 Comentários
Final da Copa Sul-Americana: muitas semelhanças e equilíbrio total
Gabriel de Assis

Final da Copa Sul-Americana: muitas semelhanças e equilíbrio total

0 Comentários
Palmeiras se reinventa e retoma boa fase no Brasileirão
Gabriel de Assis

Palmeiras se reinventa e retoma boa fase no Brasileirão

0 Comentários
Arnaut Danjuma e Yéremi Pino: destaques em meio a inconsistência do Villarreal
Bruna Mendes

Arnaut Danjuma e Yéremi Pino: destaques em meio a inconsistência do Villarreal

0 Comentários
Conheça a Revelations Cup, o novo torneio para geração 2003 das Américas
Caio Nascimento

Conheça a Revelations Cup, o novo torneio para geração 2003 das Américas

0 Comentários
A nova identidade ofensiva do Boca Juniors
Dimitri Barcellos

A nova identidade ofensiva do Boca Juniors

0 Comentários
‘Cholito’ Simeone: a decolagem do artilheiro do Verona vem aí?
Caio Bitencourt

'Cholito' Simeone: a decolagem do artilheiro do Verona vem aí?

0 Comentários
Os 5 destaques defensivos da segunda página do Brasileirão
Douglas Batista

Os 5 destaques defensivos da segunda página do Brasileirão

0 Comentários
Nuno Espírito Santo no Tottenham: um problema anunciado
Lucas Filus

Nuno Espírito Santo no Tottenham: um problema anunciado

0 Comentários