Ferroviária é favorita ao título brasileiro?

Com 100% de aproveitamento antes da parada forçada, a Ferroviária mostra um time mais forte que em 2019

O Campeonato Brasileiro está paralisado pela pandemia do COVID-19, mas a Ferroviária era líder da competição até não poder jogar pela última rodada que foi interrompida na segunda-feira, data em que retornaria a fazendinha para enfrentar o Corinthians pela primeira vez após ser campeã brasileira na casa das alvinegras temporada passada. Os times se enfrentaram também na libertadores após essa histórica final, também para disputar o titulo, mas fora no Equador, com direito a confirmação da tão aguardada revanche por parte do Corinthians.

Faça parte do Footure Club e receba conteúdos exclusivos diariamente

O Corinthians de 2019 foi o time sensação não só em território nacional, uma vez que seus recordes e belos gols rodaram o mundo e fizeram história, e a Ferroviária a equipe que impediu o ano perfeito para o time de recordes. Fato é que as duas equipes foram protagonistas do futebol brasileiro, tendo a Ferroviária sido campeã brasileira e vice campeã da libertadores, e o Corinthians vice campeão brasileiro, campeão da libertadores e campeão paulista.

Não sabemos o que será das competições esse ano diante de toda essa crise e futebol paralisado ao redor do mundo, mas pelo que foi apresentado até sua suspensão, o campeonato brasileiro tem na sua atual campeã, uma das equipes favoritas ao título.

Vamos entender um pouco a Ferroviária da temporada passada para percebemos o que mudou e evoluiu em 2020.

A Ferroviária atuava no 4-4-2, se defendendo em bloco medio e atacava no 4-3-3 com liberdade para as jogadoras de meio se movimentarem bastante nas construções ofensivas e sem muito compromisso defensivo para as atacantes, sendo sempre opção em profundidade quando a ferroviária recuperava a bola e acionava o contra-ataque rapidamente. A equipe gostava de marcar alto a saída de bola adversária e, contra o Corinthians, impôs dificuldade assim em diversos confrontos, mas acabou sendo derrotada e por placares elásticos quando a equipe alvinegra conseguia furar esse bloqueio e explorar bem as costas da defesa. 

Depois de ser goleado num placar agregado de 9×1 na semifinal do paulista, a equipe grená adotou uma postura diferente na final do brasileirão, com um bloco muito baixo e apostando principalmente na Aline Milene a controlar a bola e buscar o contra-ataque, utilizando seu forte 1×1 para quebrar linhas da defesa adversária. 

Além dessa postura, contou com uma final pouco inspirada das corinthianas nas finalizações nos dois jogos da final, especialmente o segundo, e com grande atuação da goleira Luciana fechando os ângulos das artilheiras alvinegra e executando grandes defesas. Nos pênaltis, a ferroviária foi mais competente e levou o merecido título brasileiro.

Ferroviária
Tatiele Silveira, técnica da Ferroviária e também a primeira a mulher a comandar uma equipe campeã brasileira. Foto: Dibradoras

E como vinha atuando a atual campeã brasileira nessa temporada?

Foram 4 jogos com 100% de aproveitamento até agora. Já na primeira rodada, goleou o Audax por 4×0. Depois foi a Brasília e fez jogo difícil contra o organizado Minas ICESP, onde venceu por 2×1. Emendando a sequência fora de casa, a equipe grená visitou o Palmeiras, equipe estreante na série A1 após sua remontagem e que fez grandes investimentos para esse ano, mas não tomou conhecimento e aplicou mais uma goleada, vencendo por 4×1. Seu último jogo antes do campeonato ser interrompido foi a amostra perfeita de um time favorito ao título enfrentando um time favorito ao rebaixamento, e a atual campeã goleou a frágil Ponte Preta por 7×0, assumindo a liderança da competição até então.

A Ferroviária perdeu Nathane para essa temporada, uma dos principais nomes de 2019 e que foi protagonista da copa libertadores. Por outro lado, nomes de peso como Sochor, Sâmia e Chú reforçaram a equipe grená, além da manutenção de peças fundamentais como Rafa Andrade, Aline Milene, Luana, Barrinha e a goleira Luciana. Ou seja, a equipe campeã vem ainda mais forte para defender o título.

Como esse time se comporta em campo?

Os desenhos táticos se defendendo e atacando permanecem. 4-4-2 em momento defensivo e o 4-3-3 quando ataca, sendo ainda mais móvel já que a Patrícia Sochor, que substitui a Nathane no comando de ataque, é bastante móvel, a clássica falsa 9, que costuma recuar para participar da construção das jogadas e permitir infiltração das companheiras nas costas da defesa que sobe para acompanhar sua movimentação. Cai bastante pelos lados também e dificulta a marcação.

4-4-2 defensivo com Sochor e Chu mais avançadas.
4-3-3 ofensivo com a subida da quarta integrante da linha de meio.

Com Aline Milene em campo (jogadora esteve ausente em algumas partidas nesse início), o time utiliza ainda mais do desenho 4-3-3, com a camisa 10 se aproximando de Sochor e Chu na marcação alta.

A principal diferença do time do ano passado para a atual temporada então parte da movimentação das atacantes, principalmente da Sochor, que permite maior participação das meio campistas. Aline Milene e Sâmia aproveitam muito bem os espaços que a centro-avante cria, a camisa 8 da equipe grená disputa inclusive a artilharia da competição. Ou seja, o time conta com mais argumentos ofensivos.

Sochor recua para triangular com Sâmia que infiltra no espaço gerado pela movimentação da centro-avante, sendo acionada e finalizando para abrir o placar contra o Palmeiras.

Em 2019, a Ferroviária também era uma equipe que buscava a posse de bola, a marcação alta e o jogo propositivo, mas perdeu todas as partidas contra o Corinthians atuando dessa forma, e foi adotando uma postura muito mais defensiva que se consagrou campeã brasileira. Estávamos todos ansiosos para ver como seria a postura frente a frente ao Corinthians novamente, mas o coronavírus deixou tudo para depois.

Outra característica marcante da equipe e que se mantém, é o jogo apoiado desde a saída, com muita participação da goleira Luciana a começar as jogadas.

Os destaques da Ferroviária nesse início de brasileirão

Sâmia (volante)

4 jogos
4 gols
1.75 finalizações por jogo
1.25 finalizações no gol por jogo
1.75 passes decisivos por jogo
1.5 dribles completados por jogo
5 bolas recuperadas por jogo
5 interceptações por jogo
2.25 desarmes por jogo

Patrícia Sochor (Atacante)

4 jogos
4 gols
4 assistências
6 finalizações por jogo
2 finalizações no gol por jogo
2.8 passes decisivos por jogo
1.5 dribles completados por jogo

Apesar de já ter enfrentado equipes de camisa como Flamengo e Palmeiras, todos os rivais até aqui se encontram em um momento de maturação consideravelmente inferior ao da Ferroviária, que conseguiu atuar na zona de conforto na maior parte do tempo, mas a verdade é que mal podemos esperar para ver o campeonato retornar e os grandes jogos envolvendo principalmente Ferroviária, Santos e Corinthians (ainda em busca do seu alto nível que já sabemos qual é) acontecerem, sem descartar desse bolo Palmeiras, São Paulo, Internacional e Cruzeiro, além do Grêmio correndo por fora, todos ainda se encontrando mas com altas expectativas de seus torcedores.

Compartilhe

Comente!

Tem algo a dizer?

Giselle Andreolla

Últimas Postagens

A coerência no Chelsea de Thomas Tuchel e no City de Pep Guardiola
Lucas Filus

A coerência no Chelsea de Thomas Tuchel e no City de Pep Guardiola

0 Comentários
O que fez Darío Sarmiento chamar a atenção do Manchester City?
Dimitri Barcellos

O que fez Darío Sarmiento chamar a atenção do Manchester City?

0 Comentários
Paul Pogba pode ser o primeiro ‘reforço’ do United para a próxima temporada
Lucas Filus

Paul Pogba pode ser o primeiro 'reforço’ do United para a próxima temporada

0 Comentários
A vez da geração 2004: conheça Matheus Nascimento, Cowell, Sesko e Demir
Caio Nascimento

A vez da geração 2004: conheça Matheus Nascimento, Cowell, Sesko e Demir

0 Comentários
Por que João Pedro é a tábua de salvação para o Cagliari
Caio Bitencourt

Por que João Pedro é a tábua de salvação para o Cagliari

0 Comentários
Biotipo, velocidade de raciocínio e tomada de decisão: o que é a intensidade no futebol
Caio Alves

Biotipo, velocidade de raciocínio e tomada de decisão: o que é a intensidade no futebol

0 Comentários
Knappenschmiede: a histórica forja do Schalke 04 em meio a turbulência existencial do clube
Caio Nascimento

Knappenschmiede: a histórica forja do Schalke 04 em meio a turbulência existencial do clube

0 Comentários
Campeão da Copa do Rei, Barcelona domina o Athletic e busca o doblete
Bruna Mendes

Campeão da Copa do Rei, Barcelona domina o Athletic e busca o doblete

0 Comentários
O que a contratação de Alexandre Gallo pode aportar ao Santa Cruz?
Jonatan Cavalcante

O que a contratação de Alexandre Gallo pode aportar ao Santa Cruz?

0 Comentários
4 histórias para se observar na fase de grupos da Libertadores 2021
Dimitri Barcellos

4 histórias para se observar na fase de grupos da Libertadores 2021

0 Comentários
Raúl Bobadilla e Abel Hernández: conheça os novos centroavantes do Fluminense
Gabriel Corrêa

Raúl Bobadilla e Abel Hernández: conheça os novos centroavantes do Fluminense

0 Comentários
Kayky, Galarza, Nestor, Kaiky, Rodrigo Varanda e o semestre animador dos garotos da base brasileira
Caio Nascimento

Kayky, Galarza, Nestor, Kaiky, Rodrigo Varanda e o semestre animador dos garotos da base brasileira

0 Comentários
As transições da Inter que as deixam na cara do gol (e do Scudetto)
Caio Bitencourt

As transições da Inter que as deixam na cara do gol (e do Scudetto)

0 Comentários
Danilo, uma boa dor de cabeça para Abel Ferreira no Palmeiras
Gabriel Corrêa

Danilo, uma boa dor de cabeça para Abel Ferreira no Palmeiras

0 Comentários
Zidane vence jogo de xadrez no El Clásico e aumenta disputa por título na Liga
Bruna Mendes

Zidane vence jogo de xadrez no El Clásico e aumenta disputa por título na Liga

0 Comentários