Gabigol: um fenômeno sociocultural

Os gols e comemorações, tornam Gabigol um símbolo frequente na imaginação das crianças no contato primário com a bola

O legado de Gabigol vai muito além dos gols importantes, resgate da autoestima da nação rubro-negra ou dos títulos do Carioca, Libertadores e do Brasileiro. É mais profundo. Mexe com a imaginação de milhares de crianças nas 27 unidades federativas do Brasil, ao longo dos 8.511.000 km² de extensão territorial que ligam norte ao sul e leste ao oeste. É um fenômeno sociocultural capaz de nortear o futebol brasileiro pelos próximos anos.

Gabriel Barbosa demonstra ser uma pessoa bacana e tranquila longe das quatro linhas. Mas quando pisa no solo sagrado, se transforma. O cara de sorriso fácil, dá lugar a um atleta competitivo que usa de todos os artifícios para desestabilizar o adversário. A marra e o deboche compõem o temperamento de um jovem de 23 anos que se tornou uma máquina de fazer gols e aniquilar oponentes. As comemorações dos gols com muques à mostra e cara fechada, se transformaram em marca registrada do camisa 9. E logo ganhou as redes sociais e foi sendo reproduzida por pessoas de diversas idades.

Assim como Romário em 1994, Ronaldo em 2002 e Neymar em 2011, Gabigol, é o símbolo das conquistas do Flamengo em 2019. A idolatria, que é consequência dos resultados esportivos, transbordaram o limítrofe das cores vermelhas e pretas e passaram a ser também verde e amarela. O fenômeno Gabigol alcançou o mais alto grau de influência e poder de transformação social de crianças e jovens. Uma vez que, estão inseridas em uma cultura que tem o futebol como o maior expressão cultural de um país, as crianças veem na imitação de Gabriel Barbosa uma forma de expor a representatividade que o jogador possui dentro do nicho social a que estão alocadas.

Ídolo das crianças, o camisa 9 do Flamengo ganhou até um sósia mirim (Wagner Meier/Getty Images)

A empatia e idolatria são emoções fundamentais para que as crianças desenvolvam a paixão pelo futebol. Nas ruas, no contato primário com o jogo futebol, é muito comum que elas assumam uma identidade a qual não lhes pertencem. Porém, dentro do processo de análise e escolha – seja pautando-se pelo biotipo, personalidade ou gosto pessoal – é identificada como a mais verossímil. E essa interiorização feita para jogar uma partida de barrinha ou goleiro-linha, traz consigo inúmeros valores, desde comportamentos (comemoração marrenta), até a reprodução de um gesto técnico característico (corte para a esquerda seguido de finalização). E diante do choque entre os comportamentos inatos e adquiridos, como resultante tem-se uma imitação deformada. Mas que gera uma satisfação prazerosa ao jogar futebol.

Lucas Andrade, de 9 anos, imita comemoração frente a frente com o ídolo Gabigol (Divulgação/TV Globo)

E mediante a um contexto de globalização, avanço da tecnologia, modificação de comportamentos e regras sociais, o futebol como parte integrante tem vivido grandes transformações. Se em um passado não tão distante jogar futebol era apenas um meio para interagir socialmente, estabelecer laços afetivos e desfrutar da pratica esportiva. E tinha a busca pela vitória como consequência. Atualmente, o fluxograma está invertido. Antes do deleite do jogo e interações sociais, veem a perseguição desenfreada pelo resultado. Relegando o prazer de se praticar futebol ao segundo plano. No Flamengo, Gabigol é o simbolo do resgate as origens do futebol brasileiro: alegre, marrento, solidário, plástico, competitivo e vencedor. O impacto do Fenômeno Sociocultural Gabigol ainda não dá para ser efetivamente mensurado, mas a influência já é perceptível e tem perspectiva de inspirar milhares de crianças por décadas.

Compartilhe
Jonatan Cavalcante

Últimas Postagens

Power in Motion: o projeto de restabelecimento do Dínamo de Moscou
Caio Nascimento

Power in Motion: o projeto de restabelecimento do Dínamo de Moscou

0 Comentários
Em sua primeira final europeia da história, o Villarreal desbanca o Arsenal nas semis da Europa League
Bruna Mendes

Em sua primeira final europeia da história, o Villarreal desbanca o Arsenal nas semis da Europa League

0 Comentários
A coerência no Chelsea de Thomas Tuchel e no City de Pep Guardiola
Lucas Filus

A coerência no Chelsea de Thomas Tuchel e no City de Pep Guardiola

0 Comentários
O que fez Darío Sarmiento chamar a atenção do Manchester City?
Dimitri Barcellos

O que fez Darío Sarmiento chamar a atenção do Manchester City?

0 Comentários
Paul Pogba pode ser o primeiro ‘reforço’ do United para a próxima temporada
Lucas Filus

Paul Pogba pode ser o primeiro 'reforço’ do United para a próxima temporada

0 Comentários
A vez da geração 2004: conheça Matheus Nascimento, Cowell, Sesko e Demir
Caio Nascimento

A vez da geração 2004: conheça Matheus Nascimento, Cowell, Sesko e Demir

0 Comentários
Por que João Pedro é a tábua de salvação para o Cagliari
Caio Bitencourt

Por que João Pedro é a tábua de salvação para o Cagliari

0 Comentários
Biotipo, velocidade de raciocínio e tomada de decisão: o que é a intensidade no futebol
Caio Alves

Biotipo, velocidade de raciocínio e tomada de decisão: o que é a intensidade no futebol

0 Comentários
Knappenschmiede: a histórica forja do Schalke 04 em meio a turbulência existencial do clube
Caio Nascimento

Knappenschmiede: a histórica forja do Schalke 04 em meio a turbulência existencial do clube

0 Comentários
Campeão da Copa do Rei, Barcelona domina o Athletic e busca o doblete
Bruna Mendes

Campeão da Copa do Rei, Barcelona domina o Athletic e busca o doblete

0 Comentários
O que a contratação de Alexandre Gallo pode aportar ao Santa Cruz?
Jonatan Cavalcante

O que a contratação de Alexandre Gallo pode aportar ao Santa Cruz?

0 Comentários
4 histórias para se observar na fase de grupos da Libertadores 2021
Dimitri Barcellos

4 histórias para se observar na fase de grupos da Libertadores 2021

0 Comentários
Raúl Bobadilla e Abel Hernández: conheça os novos centroavantes do Fluminense
Gabriel Corrêa

Raúl Bobadilla e Abel Hernández: conheça os novos centroavantes do Fluminense

0 Comentários
Kayky, Galarza, Nestor, Kaiky, Rodrigo Varanda e o semestre animador dos garotos da base brasileira
Caio Nascimento

Kayky, Galarza, Nestor, Kaiky, Rodrigo Varanda e o semestre animador dos garotos da base brasileira

0 Comentários
As transições da Inter que as deixam na cara do gol (e do Scudetto)
Caio Bitencourt

As transições da Inter que as deixam na cara do gol (e do Scudetto)

0 Comentários