Gabriel Martinelli, a nova sensação brasileira na Premier League

Em um ano, o camisa 35 foi de sensação da Copinha para peça importante no Arsenal

Não é raro ver talento brasileiro fazendo bonito na Europa. A própria Premier League recentemente teve vários exemplos positivos em clubes de diferentes patamares. Mas alguns conseguem chamar a atenção por motivos muito especiais. É o caso de Gabriel Martinelli, que há um ano estava brilhando na Copinha pelo Ituano e agora está sendo decisivo em clássico da liga nacional mais prestigiada do planeta.

Uma soma de fatores faz do paulista o queridinho de elenco, torcedores, jornalistas e ídolos do Arsenal. A começar, tem características que independem de muito suporte e variáveis incontroláveis para prevalecer dentro de campo. Demonstra um jogo direto, incisivo, traçando um caminho claro para a meta adversária com toda ação

O diferencial está no fato de que ele se movimenta com um propósito. Ao contrário de muitos pontas/atacantes que surgem como promessas, o camisa 35 não precisa receber a bola no pé e muito menos espera por isso (mas sabe bem o que fazer com ela). Se oferece a todo momento como opção interessante por trás da defesa, seja alargando o campo na lateral para partir em velocidade ou explorando espaços mais próximos do gol

É um roteiro que ele conhece com maestria. Costuma aparecer com timing e precisão em áreas valiosas para definição e tem fundamentos – chute, cabeceio, equilíbrio, frieza – para transformar as chances em eficiência. Gabriel marcou 10 gols em 21 jogos na temporada (11 como titular), sendo o vice-artilheiro do plantel que o recebeu inicialmente como prospecto para o futuro. Mas o fato é que não se ignora um perfil com capacidade de mudar o cenário das partidas e melhora todo o time como consequência dos seus atos. 

Ao estar sempre posicionado para infiltrar na última linha de marcação, Martinelli oferece um desafogo a uma equipe que antes era dependente de Aubameyang. Pépé também poderia acrescentar bastante, mas ainda não conseguiu gerar na Inglaterra o ‘medo’ como fazia na França. O brasileiro sim. Quem o enfrenta já sabe – ou descobre – que não vai ter vida fácil e terá de lidar com um atleta objetivo, de atributos distintos do que estão acostumados.

Sem esse tipo de peça, também fica difícil manter uma marcação compacta e evitar ser sufocado pelo oponente. Com ele, o Arsenal sabe que no momento de recuperação da posse vai ter uma opção de passe agudo para tirar a bola de zonas perigosas para si e colocá-la em zonas perigosas para o rival. Que, por sua vez, não pode subir as linhas com tanta tranquilidade se considerar o risco do espaço aberto para um atacante apto a jogadas como a que está abaixo.

É um cenário de melhorias diretas e indiretas no ataque e na defesa. E na pontuação dos Gunners no campeonato. Complementando tudo isso há um fator essencial – o mais importante para jogadores que visam o alto nível, diria. O psicológico; confiança, força mental e atitude. O brasileiro impressiona pela postura que demonstra dentro e fora dos gramados e parece estar super preparado para as experiências de um atleta de topo na Premier League. 

Com a ascensão de Gabriel Martinelli, todo mundo ganha. Seu time, o espectador, a Seleção. Menos quem tem a árdua missão de marcá-lo.

Compartilhe

Comente!

Tem algo a dizer?

Lucas Filus

Últimas Postagens

Como o Vojvodismo transformou o Fortaleza em protagonista no futebol brasileiro?
Jonatan Cavalcante

Como o Vojvodismo transformou o Fortaleza em protagonista no futebol brasileiro?

0 Comentários
God Save the Game #34 | A janela de transferências da Premier League 21/22
Gabriel Corrêa

God Save the Game #34 | A janela de transferências da Premier League 21/22

0 Comentários
Felipão chega entregando o de sempre: segurança e resultado
Gabriel de Assis

Felipão chega entregando o de sempre: segurança e resultado

0 Comentários
Guia do futebol masculino na Olimpíada de Tokyo 2020: parte 2
Caio Nascimento

Guia do futebol masculino na Olimpíada de Tokyo 2020: parte 2

0 Comentários
A Itália ainda pode crescer após o título da Euro?
Caio Bitencourt

A Itália ainda pode crescer após o título da Euro?

0 Comentários
Guia do futebol masculino na Olimpíada de Tokyo 2020: parte 1
Caio Nascimento

Guia do futebol masculino na Olimpíada de Tokyo 2020: parte 1

0 Comentários
O complicado início de Diego Aguirre no Internacional
Gabriel de Assis

O complicado início de Diego Aguirre no Internacional

0 Comentários
Rodrigo De Paul: o meia com DNA de Simeone e Atlético de Madrid
Bruna Mendes

Rodrigo De Paul: o meia com DNA de Simeone e Atlético de Madrid

0 Comentários
A Inglaterra superou seus traumas e, agora, se permite sonhar
Lucas Filus

A Inglaterra superou seus traumas e, agora, se permite sonhar

0 Comentários
Prestes a completar 100 jogos pelo Ceará, Guto Ferreira fala sobre o trabalho no Vozão, as críticas pela “falta de repertório” e sua metodologia de treino
Jonatan Cavalcante

Prestes a completar 100 jogos pelo Ceará, Guto Ferreira fala sobre o trabalho no Vozão, as críticas pela "falta de repertório" e sua metodologia de treino

0 Comentários
Brasileiro Sub-17 chega a fase de mata-mata
Caio Nascimento

Brasileiro Sub-17 chega a fase de mata-mata

0 Comentários
Ataque emperra e São Paulo perde confiança
Gabriel de Assis

Ataque emperra e São Paulo perde confiança

0 Comentários
A Espanha sai dessa Euro muito melhor do que entrou
Bruna Mendes

A Espanha sai dessa Euro muito melhor do que entrou

0 Comentários
A importância discreta: o que Víctor Cantillo soma ao Corinthians?
Aurelio Solano

A importância discreta: o que Víctor Cantillo soma ao Corinthians?

0 Comentários
Campionato Primavera: a mina de ouro do futebol italiano
Caio Nascimento

Campionato Primavera: a mina de ouro do futebol italiano

0 Comentários