O exército de Haaland: a promissora geração que busca colocar a Noruega de volta no mapa do futebol

Liderados pelo artilheiro do Borussia Dortmund, Haaland, a geração norueguesa de Odegaard, Berge e Sorloth quer recolocar o país numa Copa do Mundo

O principal fenômeno da temporada que está acabando chama-se Erling Braut Haaland, o centroavante de 20 anos e 1,94m de altura. O norueguês a começou no RB Salzburg e a terminou no Borussia Dortmund, que pagou £22,5 milhões pela transferência, em janeiro. Alguns o chamam de “Cometa Haaland”, especialmente porque apareceu muito rápido e arrebatou a curiosidade de muitos pela grande quantidade de gols.

Com capacidades físicas invejáveis para um centroavante tão alto, Haaland já fez gol de tudo quanto é jeito na temporada, além de ter ajudado suas equipes em transições ofensivas e defensivas. É um atleta moderno, que ganha ainda mais elogios pelo o que oferece de diferente para seus treinadores.

No entanto, antes de Haaland, já havia outro norueguês cujo talento chamava a atenção. Trata-se de Martin Odegaard, que foi sonho de consumo de metade da Europa em 2014 antes de ser contratado pelo Real Madrid. Atualmente, o meia-ofensivo defende a Real Sociedad após ter feito temporada memorável pelo Vitesse na Eredivise, em 2018/2019. Odegaard apareceu no Stromsgodset com 16 anos de idade e, por mais que tenha sido emprestado três vezes pelo clube merengue, ele ainda possui o status de promessa (com 21 anos).

Alemanha, Espanha e também na Inglaterra. O Sheffield United, que surpreendeu os analistas da EPL com a nona colocação na temporada, contratou Sander Berge, de 22 anos, que defendia as cores do Genk, da Bélgica. O meia-central chegou ao clube em janeiro, tendo feito 16 jogos pelos Blades e um gol. Berge é titular da seleção norueguesa e por três temporadas foi estrela na Jupiler League.

Um pouco mais velho que os outros, Alexander Sorloth, de 24 anos, foi o artilheiro do Campeonato Turco com 24 gols. Emprestado pelo Crystal Palace-ING ao Trabzonspor, o norueguês de 1,95m deixou ótimas impressões em Midtjylland e Bodo/Glimt antes de ser comprado pelo clube londrino.

Sem participar de uma Copa do Mundo desde 1998, a Noruega depende – e muito – desses jovens citados acima. É justamente a geração de Haaland, a turma nascida entre 2000 e 2003, que possui talento suficiente para fazer campanhas melhores nas eliminatórias e, quiçá, conquistar uma vaga no mundial.

Hauge Haaland Geração Norueguesa
Hauge e Haaland podem ser o futuro da gélida Noruega. Foto: Fifa.

Além desses nomes já conhecidos do público, a Noruega dispõe de outros que estão buscando seu espaço em equipes de base nos principais centros. Essencialmente, são nove jogadores noruegueses de destaque que estão atuando fora do país, em campeonatos mais competitivos ou em times juvenis de grandes centros.

Esse é o caso de Bryan Fiabema, de 17 anos, atacante da equipe sub-19 do Chelsea, que chegou à equipe londrina na última janela de inverno do Tromso. Fiabema é destro, possui ótimo poder de finalização e pode atuar fora da posição. O jovem atacante já atuou pelas seleções sub-15, sub-16 e sub-17 da Noruega.

Também na Inglaterra, encontra-se Oscar Bobb, de 17 anos, extrema-direita do Manchester City, que fora contratado em julho de 2019 junto ao Valengara. Canhoto atuando pelo lado direito, Bobb se destaca pela facilidade em marcar gols mesmo sendo um jogador de beirada e de 1,63m. Ao todo, o norueguês fez 14 partidas pelos Citezen na Premier League sub-18, tendo marcado quatro gols e realizado duas assistências. Ele também tem passagens pelas seleções de base.

Seguindo no setor ofensivo, em Portugal o Sporting possui em sua academia a jovem promessa Nicolai Skoglund, de 17 anos e com incríveis 1,87m de altura, e o Vitória de Guimarães tem a disposição Noah Holm, de 19 anos, fora pinçado do RB Leipzig para a equipe principal dos Conquistadores. Skoglund está na equipe sub-17 dos Leões e já fora convocado para a seleção de seu país para nas categorias sub-15, sub-16 e sub-17, enquanto Holm fora contratado para ser profissional na próxima temporada do campeonato português.

Ambos são atacantes com ótimo porte físico, mas eles não se resumem apenas a função do centroavante clássico que fica esperando a bola no ataque. Tanto Skoglund quanto Holm possui controle de bola e domínio orientado, além de ótima movimentação e posicionamento entre as linhas de marcação.

A Holanda sempre recebeu jogadores noruegueses de braços abertos e duas das melhores promessas do país nórdico atuam por PSV e AZ Alkmaar. Trata-se de Herman Geelmuyden, de 18 anos, meia-ofensivo ou extrema-direita da equipe de Eindhoven, e Hakon Evjen, de 20 anos, meia-central das “Cabeças de Queijo”.

Evjen já é profissional e foi contratado do Bodo/Glimt, em janeiro, tendo feito quatro partidas na última Eredivise. Já Geelmuyden ainda faz parte da equipe B, mas é tratado como superestrela, pois com 15 anos ele já estava atuando como titular pelo Stabaek, na Eliteserien. Ao todo, foram seis partidas em 2017, além de várias convocações para seleções de base da Noruega.

Falando em profissionais, temos Kristian Thorstvedt, do Genk, e Kristoffer Askildsen, da Sampdoria. Ambos são jogadores altos (1,89m e 1,90m respectivamente) e atuam como meia-central, porém, Thorstvedt é canhoto e tem 21 anos de idade enquanto Askildsen é destro e possui 19 anos de idade. Os dois noruegueses atuaram pouco na temporada, porém, já deixaram suas marcas por suas equipes com um gol cada. Thorstvedt é um jogador mais posicional e importante na saída de bola e Askildsen é mais móvel, sendo um bom box-to-box.

Um dos defensores mais promissores na Europa é norueguês. Leo Ostigard, do Brighton, tem 20 anos e mede 1,85m. Apesar de não ser o zagueiro padrão do futebol europeu, Ostigard compensa pela saída de bola limpa e pela capacidade de defender a grande área. O zagueiro é forte, sendo implacável na marcação e rápido para acompanhar os atacantes. Ele passou pelo St. Pauli por empréstimo recentemente. Além disso, Ostigaard está presente nas convocações desde o sub-15 da seleção nacional.

Os noruegueses são completamente alucinados por futebol, especialmente pelos clubes da Premier League. O fanatismo pelo esporte bretão fez com que esse país de pouco mais de cinco milhões de habitantes se especializasse na formação de novos atletas, tanto para o futebol masculino quanto para o futebol feminino.

Varias escolinhas estão espalhadas pelo país, servindo de incubadora para equipes maiores. Percebe-se que todos os jogadores que hoje estão em academias importantes passaram por clubes grandes da Noruega. Atualmente, na Eliteserien existem sete jogadores sub-21 de qualidade e que devem ajudar os Leões futuramente.

O principal nome da liga norueguesa, dentre os mais novos, é o de Joshua Kitolano, de 18 anos. O meia-central defende as cores do Odd BK como profissional desde 2018. Ao todo, foram 55 partidas com os alvinegros, tendo feito cinco gols e dado três assistências. Kitolano é o famigerado “todo-campista”, sendo capaz de proteger a defesa com a mesma efetividade com que participa da armação no ataque. Rápido, forte, destro e com bom passe, o norueguês é titular absoluto da equipe, além de ser figurinha carimbada nas seleções de base. Kitolano tem sete irmãos, que vieram da República Democrática do Congo junto com ele, sendo duas irmãs jogadoras de futebol e um irmão mais velho que defende o Wolverhampton.

Os melhores momentos de Kitolano na temporada 2019/2020.

Outro meio-campista que tem se destacado com regularidade na Eliteserien é Johan Hove, de 19 anos, do Stromsgodset. Com 1,77m de altura, o meia-central é um excelente distribuidor de jogo, com passes curtos e longos, além de ser muito importante no jogo associativo. Hove também é um famoso ladrão de bolas, importante na transição de jogadas. Ao contrário de Kitolano, ele não é tão rápido, porém, o meia compensa com boa proteção de bola e visão de jogo.

Um dos principais centroavantes da nova geração norueguesa é alto como Haaland, se movimenta como Haaland, porém, não tem o mesmo faro de artilheiro que o jogador do Borussia Dortmund. Na realidade, Jorgen Strand Larsen, de 20 anos e 1,93m de altura, se destaca mais pelo papel de armador do que, de fato, por fazer gols. Figurinha carimbada nas seleções de base, o atual jogador do Sarpsborg chegou a ser emprestado ao Milan, mas a experiência acabou não sendo proveitosa para o norueguês.

Larsen começou a chamar a atenção pelos gols nas competições internacionais com a seleção de base, mas atualmente ele se destaca pelas assistências e pré-assistências nas partidas da Eliteserien, carregando o número 10 em suas costas. Destro, Larsen é rápido e é capaz de jogar entre as linhas, mas precisa melhorar a finalização.

Quem começou como patinho feio e hoje é um dos principais chamarizes do campeonato norueguês é Jens Petter Hauge, de 20 anos, do Bodo/Glimt. Com 1,84m de altura, Hauge é um extremo-esquerdo de velocidade e finalização, perfeito para equipes de transição rápida. Destro, o norueguês pode atuar pelas duas bandas e devido a grande capacidade de finalização, Hauge desempenha o papel de extremo-invertido. Assim como os anteriores, o extremo é figurinha carimbada nas convocações para as equipes inferiores da seleção, tendo participado do Mundial Sub-20, em 2019, no qual Haaland marcou nove gols em uma partida só. Hauge, no caso, atuou em duas partidas, tendo feito um gol e dado uma assistência.

Falando em Mundial Sub-20, dois destaques daquela seleção atuam juntos no Stabaek: Hugo Vetlesen e Emil Bohinen, meia-esquerda e meia-direita respectivamente. O primeiro tem 20 e o segundo 21 anos, sendo que Vetlesen foi o primeiro jogador nascido em 2000 a atuar na Eliteserien e se destaca pela qualidade no passe e pela movimentação sem a bola. Ele atuou em 98 partidas pelo Stabaek, tendo feito cinco gols e dado 13 assistências. Enquanto isso, Bohinen é um meia mais dinâmico, sendo um bom ladrão de bolas e com chegada contundente no ataque. Ele também pode atuar como um volante mais defensivo, especialmente pelo porte físico (1,86m) e leitura de jogo.

Contudo, é na baliza que os Leões precisam de ar fresco. O goleiro titular da Noruega ainda é Rune Jarstein, de 35 anos, que claramente passou do pico de evolução. Oscar Nyland, de 29 anos e que defende o Aston Villa, é a opção imediata para a titularidade da meta, mas a irregularidade do arqueiro dos Villans coloca em xeque sua credibilidade.

É nesse cenário que Kristoffer Klaesson, de 19 anos, cresce na Eliteserien. Titular do Valengara desde a temporada passada, o goleiro de 1,89m não é tão alto quanto seus concorrentes, porém, ele conta com uma regularidade notável, além de possuir talento com o pé esquerdo. Klaesson ainda precisa evoluir em alguns aspectos, especialmente na saída de gol, no entanto, a titularidade numa equipe acostumada a jogos grandes e convocações constantes para seleções de base fazem com que o arqueiro do Valengara seja o principal nome para a posição futuramente.

Como mencionado antes, a Noruega é um país cuja população não é muito grande, principalmente se for comparada com outros países mais tradicionais no futebol. Com apenas três participações em Copas do Mundo e uma em Eurocopa, os Leões dependem exclusivamente de uma geração para conseguir ser competitiva por algum tempo. É o caso da rival Islândia, que participou recentemente da Copa do Mundo, em 2018, e da Euro, em 2016, mas que claramente vê a safra vencedora definhar com a idade.

Ter uma cultura futebolística sólida na sociedade pode ajudar a Noruega a conseguir revelar jogadores com maior frequência, sem precisar de uma “geração de ouro”. Basta olhar para o Uruguai, cuja população é até menor do que a do país nórdico, mas que costumeiramente revela um grande nome capaz de liderar a seleção nacional em competições internacionais.

Portanto, a responsabilidade de Erling Haaland, Martin Odegaard, Sander Berge, Jens Petter Hauge e Joshua Kitolano, mesmo tão jovens, é bem grande vista por esse prisma. No futebol moderno, não basta apenas ter boas ideias e talento. Os resultados em campo são extremamente importantes e, é baseado nisso, que essa promissora geração norueguesa busca colocar o país de volta no mapa do futebol internacional.

Compartilhe

Comente!

Tem algo a dizer?

Últimas Postagens

O caminho da Seleção, as mudanças de Tite e um norte para o Catar
Aurelio Solano

O caminho da Seleção, as mudanças de Tite e um norte para o Catar

0 Comentários
Cinco promessas africanas na base de clubes europeus
Caio Nascimento

Cinco promessas africanas na base de clubes europeus

0 Comentários
Pellegrini: a história dos romanos na Roma continua
Caio Bitencourt

Pellegrini: a história dos romanos na Roma continua

0 Comentários
A afirmação da Espanha e sua nova geração
Bruna Mendes

A afirmação da Espanha e sua nova geração

0 Comentários
Guto Ferreira coloca o Bahia para acelerar
Gabriel de Assis

Guto Ferreira coloca o Bahia para acelerar

0 Comentários
RAIO-X: De onde saem as assistências dos líderes do quesito na Série B
Douglas Batista

RAIO-X: De onde saem as assistências dos líderes do quesito na Série B

0 Comentários
Os destaques dos 8 classificados no Brasileirão Sub-20
Caio Nascimento

Os destaques dos 8 classificados no Brasileirão Sub-20

0 Comentários
A reinvenção de Brahim Diaz no meio-campo do Milan
Caio Bitencourt

A reinvenção de Brahim Diaz no meio-campo do Milan

0 Comentários
Maduro, o Red Bull Bragantino se aproxima de fazer história
Gabriel de Assis

Maduro, o Red Bull Bragantino se aproxima de fazer história

0 Comentários
Friendly #7 | O novo rico Newcastle, Sports Washing e a ‘era’ de clube-estado
Eduardo Dias

Friendly #7 | O novo rico Newcastle, Sports Washing e a 'era' de clube-estado

0 Comentários
Napoli: O impacto inicial de Anguissa com a camisa partenopei
Caio Bitencourt

Napoli: O impacto inicial de Anguissa com a camisa partenopei

0 Comentários
O Grande Norte e os grandes desafios: o que o futuro reserva para o futebol masculino do Canadá?
Caio Nascimento

O Grande Norte e os grandes desafios: o que o futuro reserva para o futebol masculino do Canadá?

0 Comentários
O agressivo América/MG de Vagner Mancini
Gabriel de Assis

O agressivo América/MG de Vagner Mancini

0 Comentários
O Botafogo/PB em busca de um acesso histórico na Paraíba
Douglas Batista

O Botafogo/PB em busca de um acesso histórico na Paraíba

0 Comentários
A disparidade entre Atlético de Madrid e Barcelona
Bruna Mendes

A disparidade entre Atlético de Madrid e Barcelona

0 Comentários