Ibrahim Sangaré, o metrônomo do Toulouse

Após ter disputado o Torneio de Toulon em 2015 pela Costa do Marfim, as portas da França se abriram para Ibrahim Sangaré. Completando três anos na terra do Hexágono, o meio-campista marfinense atualmente se estabeleceu como um pilar no jogo do Toulouse e, com apenas 21 anos, já é uma realidade no cenário da temporada 2019/2020 da Ligue 1. Apesar do […]

Após ter disputado o Torneio de Toulon em 2015 pela Costa do Marfim, as portas da França se abriram para Ibrahim Sangaré. Completando três anos na terra do Hexágono, o meio-campista marfinense atualmente se estabeleceu como um pilar no jogo do Toulouse e, com apenas 21 anos, já é uma realidade no cenário da temporada 2019/2020 da Ligue 1.

Apesar do porte físico chamativo, com seus 1,91 de altura e 77 kg, não é o jogo de impacto e contato que representa o jogador que Sangaré realmente é. Posicionado na faixa central, para sustentar a base das jogadas de sua equipe geralmente ao lado de William Vainqueur, o marfinense é um dos principais responsáveis ao dar saída aos ataques do Téfécé. Com frieza, habilidade e muita capacidade de resistir à pressão, somando suas qualidades com a bola com seu físico poderoso para conduzir e buscar sempre um passe com intenção e propósito, o camisa 17, que já havia revelado qualidades extramente úteis desde sua chegada, está mostrando seu crescimento e importância nas fases ofensivas com passes criativos, para romper linhas, e que antecedem uma assistência ou uma finalização.

Os passes de Sangaré tem evoluído na fase ofensiva

Com uma capacidade de leitura e antecipação acima da média, Ibrahim não precisa de muitos toques na bola para encontrar boas soluções e dar continuidade ao jogo e hoje é o principal construtor da equipe na faixa central do campo. Sempre observando e interpretando informações em seu entorno, o jovem marfinense possui excelentes companheiros para complementar seu repertório de passes, encontrando colegas em apoio ou profundidade jogando ao lado de Max Gradel, Wesley Saïd, Aaron Leya Iseka e Efthymios Koulouris, por exemplo. Entretanto, mesmo ao se sobressair, a pobreza tática e coletiva da equipe do Toulouse depende de forma exagerada das individualidades e não estimula as mesmas a praticar um jogo mais completo, considerando que Ibrahim Sangaré é o tipo de meia que brilha mais com a bola no pé do que sem ela.

Com apenas nove gols marcados e 15 sofridos, o Toulouse recentemente trocou de técnico e viu Antoine Kombouaré assumir o comando da equipe. Partindo do princípio que a dependência na capacidade individual dos jogadores não irá sofrer tanta alteração e considerando o contexto pobre do sistema da equipe, Sangaré produz uma quantidade importante de passes chave por jogo (média de 0,9 por jogo em oito partidas disputadas), sendo uma das grandes fontes de desequilíbrio a favor do TFC. Assim, o marfinense já está mais do que preparado para dar o salto para uma equipe que explore de forma mais frequente suas qualidades e estimule o crescimento de outras virtudes em seu jogo, se enquadrando como o reforço ideal para equipes da Premier League pelo combo de físico somado à qualidade técnica. Além disso, o jovem de 21 anos ganhou o status de internacional pela seleção principal da Costa do Marfim, ao receber o chamado em 2018 e estrear em campo em 2019, e não deve deixar mais as listas de convocações dos Éléphants daqui pra frente.

Contratado por 100 mil euros junto ao AS Denguelé, Sangaré com certeza será a próxima grande venda do clube que revelou jogadores como Issa Diop, Alban Lafont e Wissam Ben Yedder e segue apostando na formação e pós-formação de atletas, com a geração finalista da Coupe Gambardella da temporada passada aguardando sua integração de forma definitiva ao elenco profissional.

Compartilhe

Comente!

Tem algo a dizer?

Renato Gomes

Últimas Postagens

O que é a linha sustentada, conceito dominado por Tite e Mano Menezes e que fez sucesso no Corinthians
Caio Alves

O que é a linha sustentada, conceito dominado por Tite e Mano Menezes e que fez sucesso no Corinthians

0 Comentários
Atlético-MG vive seu melhor momento na temporada
Gabriel de Assis

Atlético-MG vive seu melhor momento na temporada

0 Comentários
A onda tecnicista na função do auxiliar técnico de futebol
Jonatan Cavalcante

A onda tecnicista na função do auxiliar técnico de futebol

0 Comentários
Friendly #1 | Imaginar e construir o futuro, a habilidade fundamental do século XXI
Footure

Friendly #1 | Imaginar e construir o futuro, a habilidade fundamental do século XXI

0 Comentários
Surpresa e tradição: os classificados para as quartas do futebol masculino na Olimpíada
Caio Nascimento

Surpresa e tradição: os classificados para as quartas do futebol masculino na Olimpíada

0 Comentários
Osimhen, Simy, e a problemática das narrativas sobre jogadores africanos
Caio Bitencourt

Osimhen, Simy, e a problemática das narrativas sobre jogadores africanos

0 Comentários
O que esperar do Real Madrid para os próximos anos com Carlo Ancelotti?
Bruna Mendes

O que esperar do Real Madrid para os próximos anos com Carlo Ancelotti?

0 Comentários
O que explica as goleadas do Flamengo com Renato Gaúcho?
Gabriel de Assis

O que explica as goleadas do Flamengo com Renato Gaúcho?

0 Comentários
Como o Vojvodismo transformou o Fortaleza em protagonista no futebol brasileiro?
Jonatan Cavalcante

Como o Vojvodismo transformou o Fortaleza em protagonista no futebol brasileiro?

0 Comentários
God Save the Game #34 | A janela de transferências da Premier League 21/22
Gabriel Corrêa

God Save the Game #34 | A janela de transferências da Premier League 21/22

0 Comentários
Felipão chega entregando o de sempre: segurança e resultado
Gabriel de Assis

Felipão chega entregando o de sempre: segurança e resultado

0 Comentários
Guia do futebol masculino na Olimpíada de Tokyo 2020: parte 2
Caio Nascimento

Guia do futebol masculino na Olimpíada de Tokyo 2020: parte 2

0 Comentários
A Itália ainda pode crescer após o título da Euro?
Caio Bitencourt

A Itália ainda pode crescer após o título da Euro?

0 Comentários
Guia do futebol masculino na Olimpíada de Tokyo 2020: parte 1
Caio Nascimento

Guia do futebol masculino na Olimpíada de Tokyo 2020: parte 1

0 Comentários
O complicado início de Diego Aguirre no Internacional
Gabriel de Assis

O complicado início de Diego Aguirre no Internacional

0 Comentários