Montevideo Wanderers: solidez defensiva para sonhar com o Campeonato Uruguaio

A equipe do técnico Mauricio Larriera emerge na batalha pela parte alta da tabela e tem na aplicação tática nos momentos sem a posse o seu trunfo para o sucesso

Nacional e Peñarol não estão sozinhos na luta pelo topo do Campeonato Uruguaio. Junto com o surpreendente Rentistas, quem está firme nesta briga é o Montevideo Wanderers. Os bohemios estão em situação confortável neste Torneio Apertura, com um bom rendimento dentro de campo e uma campanha robusta até agora: em 10 jogos, são 5 vitórias, 4 empates e apenas 1 derrota. Nesta sequência, pontos importantes foram conquistados contra os dois principais clubes do país. Contra os carboneros, triunfo. Contra os tricolores, empate.

A grande virtude do Wanderers para este desempenho é bastante clara e tem a digital do técnico Mauricio Larriera. A solidez defensiva que a equipe apresenta tem sido o diferencial para competir contra times mais qualificados individualmente, com um repertório interessante para conseguir anular seus adversários de diferentes formas. Seja pressionando, estabelecendo um bloco médio ou se fechando com as linhas baixas, a dificuldade para superar o sistema montado por Larriera é altíssima.

Um dos artifícios empregados que ajudam a alçar este desempenho é a criação de superioridade numérica no setor da bola. A busca por encurtar espaços na zona em que os rivais articulam as jogadas é constante, sobretudo no terço intermediário do campo, impedindo que se chegue nas proximidades da área e impossibilitando finalizações tanto em quantidade quanto em posições de qualidade, capazes de levar risco alto à meta de Ignacio De Arruabarrena. E quando a marcação é superada, o bom goleiro de 23 anos faz seu trabalho com primor, usando seu bom posicionamento e os reflexos apurados para realizar as defesas.

Reduzir os espaços no setor da bola a partir da criação de superioridade numérica é chave para o sistema defensivo do Montevideo Wanderers

Por conta disto, aliás, o Montevideo Wanderers é um dos times que menos sofrem arremates na média por 90 minutos neste Campeonato Uruguaio. São apenas 8.13 chutes dados pelos adversários dentro deste espaço de tempo. E no geral, os vagabundos possuem também a defesa menos vazada do Apertura nestes 10 jogos. Foram vazados somente 6 vezes, com todos os gols sofridos em apenas três partidas. Ou seja, são 7 clean sheets até aqui.

Quando o time se posiciona em bloco médio ou baixo, o desenho na organização das linhas varia bastante. Em situações onde há uma vigilância maior na saída de bola adversária, com as linhas na intermediária, o 4-2-3-1 se estabelece. Assim que a equipe adversária avança no terreno de jogo e há a necessidade de proteger tanto a entrada da área quanto os corredores laterais, os extremas recuam na faixa da dupla de volantes para compor duas linhas de quatro, mas isso geralmente depende da subida dos laterais que caem por seus setores, numa marcação quase individual durante todo o tempo.

A diferença da formatação defensiva conforme a altura dos laterais adversários. Na primeira imagem, contra o Liverpool, laterais recuados e 4-2-3-1 estabelecido. Na segunda imagem, contra o Peñarol, laterais mais próximos da metade ofensiva e os extremas do Wanderers fechando a intermediária no 4-4-2.

Para transformar essa estrutura em algo efetivo, a compactação das linhas e o balanço do bloco defensivo são essenciais. Sobretudo quando o 4-2-3-1 está presente sem a bola, ter este balanço é importante para impor a superioridade numérica no setor de criação rival citado anteriormente.

Não apenas o sistema merece destaque, mas também as individualidades que o colocam em prática. Os extremas Ignacio Lores e Maximiliano Pérez são fundamentais para essa dinâmica defensiva e nas transições do 4-2-3-1 para o 4-4-2. O ordenamento das linhas passa diretamente pelos movimentos de ambos. O jovem meia Bruno Veglio, de 22 anos, demonstra um grande desempenho na hora de pressionar após a perda da posse, além de ser um verdadeiro motor para o time também em fase ofensiva.

Abrindo o setor de meio, Adrián Colombino oferece grande combatividade e proteção à frente da defesa. Sua leitura para saber o momento certo de subir a pressão ou fechar o espaço é de bom nível, o que acaba aliviando boa parte da responsabilidade da primeira linha. Logo atrás, necessário destacar a precisão do experiente zagueiro Gastón Bueno. O defensor é um dos mais exitosos em duelos defensivos, com aproveitamento superior a 70% neste quesito.

Para o Wanderers sonhar mais alto, será necessário manter a regularidade e o desempenho por muito mais do que 10 partidas. O trabalho de Larriera é bastante promissor, entregando competitividade e conseguindo potencializar um elenco de boa qualidade que tem em mãos. O desafio do calendário corrido acabará por afetar o rendimento em algum momento, e saber como atenuar os efeitos do desgaste será essencial para um time que atua de modo intenso com e, principalmente, sem a bola.

Compartilhe

Comente!

Tem algo a dizer?

Últimas Postagens

O caminho da Seleção, as mudanças de Tite e um norte para o Catar
Aurelio Solano

O caminho da Seleção, as mudanças de Tite e um norte para o Catar

0 Comentários
Cinco promessas africanas na base de clubes europeus
Caio Nascimento

Cinco promessas africanas na base de clubes europeus

0 Comentários
Pellegrini: a história dos romanos na Roma continua
Caio Bitencourt

Pellegrini: a história dos romanos na Roma continua

0 Comentários
A afirmação da Espanha e sua nova geração
Bruna Mendes

A afirmação da Espanha e sua nova geração

0 Comentários
Guto Ferreira coloca o Bahia para acelerar
Gabriel de Assis

Guto Ferreira coloca o Bahia para acelerar

0 Comentários
RAIO-X: De onde saem as assistências dos líderes do quesito na Série B
Douglas Batista

RAIO-X: De onde saem as assistências dos líderes do quesito na Série B

0 Comentários
Os destaques dos 8 classificados no Brasileirão Sub-20
Caio Nascimento

Os destaques dos 8 classificados no Brasileirão Sub-20

0 Comentários
A reinvenção de Brahim Diaz no meio-campo do Milan
Caio Bitencourt

A reinvenção de Brahim Diaz no meio-campo do Milan

0 Comentários
Maduro, o Red Bull Bragantino se aproxima de fazer história
Gabriel de Assis

Maduro, o Red Bull Bragantino se aproxima de fazer história

0 Comentários
Friendly #7 | O novo rico Newcastle, Sports Washing e a ‘era’ de clube-estado
Eduardo Dias

Friendly #7 | O novo rico Newcastle, Sports Washing e a 'era' de clube-estado

0 Comentários
Napoli: O impacto inicial de Anguissa com a camisa partenopei
Caio Bitencourt

Napoli: O impacto inicial de Anguissa com a camisa partenopei

0 Comentários
O Grande Norte e os grandes desafios: o que o futuro reserva para o futebol masculino do Canadá?
Caio Nascimento

O Grande Norte e os grandes desafios: o que o futuro reserva para o futebol masculino do Canadá?

0 Comentários
O agressivo América/MG de Vagner Mancini
Gabriel de Assis

O agressivo América/MG de Vagner Mancini

0 Comentários
O Botafogo/PB em busca de um acesso histórico na Paraíba
Douglas Batista

O Botafogo/PB em busca de um acesso histórico na Paraíba

0 Comentários
A disparidade entre Atlético de Madrid e Barcelona
Bruna Mendes

A disparidade entre Atlético de Madrid e Barcelona

0 Comentários