O ADEUS DE UMA LENDA

Por @matheusdeluca_ Francesco Totti: entre categorias de base e time profissional, 28 anos de Roma. 784 jogos e 307 gols. Um Campeonato Italiano, duas Copas da Itália, uma Supercopa da Itália e uma Copa do Mundo. O primeiro parágrafo deste texto é capaz de dimensionar a representatividade e a importância de Totti para os romanistas e […]

Por @matheusdeluca_

Francesco Totti: entre categorias de base e time profissional, 28 anos de Roma. 784 jogos e 307 gols. Um Campeonato Italiano, duas Copas da Itália, uma Supercopa da Itália e uma Copa do Mundo. O primeiro parágrafo deste texto é capaz de dimensionar a representatividade e a importância de Totti para os romanistas e para o futebol; mas iremos mais fundo.

Desde garoto Francesco colocava sua paixão acima de qualquer coisa. Fato comprovado após recusar, aos 13 anos de idade, propostas da Lazio e do Milan. Totti preferia ficar em casa a jogar em outro clube que não fosse a Roma. Estreou na Série A aos 16 anos de idade e desde então faz história. Ainda jovem,Totti não era utilizado pelo técnico argentino Carlos Bianchi, e seu empréstimo à Sampdoria chegou a ser cogitado. O presidente Franco Sesi decidiu intervir e quem acabou saindo foi o técnico. Bom para a Roma, para Totti e para o futebol.

Zdenek Zeman assumiu a Roma e ainda naquele ano Totti vestiu a tradicional camisa 10 que nunca mais abandonaria. No ano seguinte, era capitão do time da capital, aos 22 anos de idade. Os títulos vieram e Totti já havia caído nas graças dos torcedores.

Aos 27 anos e em seu auge, disse não à proposta de Florentino Pérez para compor o esquadrão galáctico do Real Madrid. Mais uma prova de amor a Roma.

Em sua longeva carreira, Totti foi um verdadeiro Camisa 10. Criativo e habilidoso, ditava o ritmo do jogo. Taticamente inteligente, jogou por muito tempo como um meia-esquerda no 4-3-3 de Zeman, sempre se deslocando para a faixa central do campo. Essa movimentação lhe dava iguais condições de finalizar ou assistir seus companheiros. Na Era Capello, foi o homem de criação do 3-4-1-2, alimentando Batistuta com seus passes açucarados e criativos. Já com Spaletti, passou a jogar como falso 9. Totti se adaptou durante toda sua carreira, e aprendeu a jogar em diferentes posições de acordo com sua idade e força física.

Não foi campeão muitas vezes. Integrou muitos elencos medianos que dificilmente o levariam às glórias. Mas para Totti o futebol sempre foi mais que o primeiro lugar. Decidiu fazer história em casa e ser ídolo de seu povo.

Totti é a prova viva de que, algumas vezes, o amor à camisa prevalece e fala mais alto. Foi um torcedor, apaixonado e devoto à Roma desde sempre, e para sempre.

“Por que passei minha vida inteira na Roma?

A Roma é minha família, meus amigos, as pessoas que amo. Roma é o mar, as montanhas, os monumentos. Roma, evidentemente, são os romanos.

Roma é amarelo e vermelho.

Roma, para mim, é o mundo.

Este clube e esta cidade são minha vida.

Sempre.”

Um romanista em campo, uma lenda do futebol. Sentiremos falta de Francesco Totti.

IMG_8448
Compartilhe

Comente!

Tem algo a dizer?

Footure

Últimas Postagens

A onda tecnicista na função do auxiliar técnico de futebol
Jonatan Cavalcante

A onda tecnicista na função do auxiliar técnico de futebol

0 Comentários
Friendly #1 | Imaginar e construir o futuro, a habilidade fundamental do século XXI
Footure

Friendly #1 | Imaginar e construir o futuro, a habilidade fundamental do século XXI

0 Comentários
Surpresa e tradição: os classificados para as quartas do futebol masculino na Olimpíada
Caio Nascimento

Surpresa e tradição: os classificados para as quartas do futebol masculino na Olimpíada

0 Comentários
Osimhen, Simy, e a problemática das narrativas sobre jogadores africanos
Caio Bitencourt

Osimhen, Simy, e a problemática das narrativas sobre jogadores africanos

0 Comentários
O que esperar do Real Madrid para os próximos anos com Carlo Ancelotti?
Bruna Mendes

O que esperar do Real Madrid para os próximos anos com Carlo Ancelotti?

0 Comentários
O que explica as goleadas do Flamengo com Renato Gaúcho?
Gabriel de Assis

O que explica as goleadas do Flamengo com Renato Gaúcho?

0 Comentários
Como o Vojvodismo transformou o Fortaleza em protagonista no futebol brasileiro?
Jonatan Cavalcante

Como o Vojvodismo transformou o Fortaleza em protagonista no futebol brasileiro?

0 Comentários
God Save the Game #34 | A janela de transferências da Premier League 21/22
Gabriel Corrêa

God Save the Game #34 | A janela de transferências da Premier League 21/22

0 Comentários
Felipão chega entregando o de sempre: segurança e resultado
Gabriel de Assis

Felipão chega entregando o de sempre: segurança e resultado

0 Comentários
Guia do futebol masculino na Olimpíada de Tokyo 2020: parte 2
Caio Nascimento

Guia do futebol masculino na Olimpíada de Tokyo 2020: parte 2

0 Comentários
A Itália ainda pode crescer após o título da Euro?
Caio Bitencourt

A Itália ainda pode crescer após o título da Euro?

0 Comentários
Guia do futebol masculino na Olimpíada de Tokyo 2020: parte 1
Caio Nascimento

Guia do futebol masculino na Olimpíada de Tokyo 2020: parte 1

0 Comentários
O complicado início de Diego Aguirre no Internacional
Gabriel de Assis

O complicado início de Diego Aguirre no Internacional

0 Comentários
Rodrigo De Paul: o meia com DNA de Simeone e Atlético de Madrid
Bruna Mendes

Rodrigo De Paul: o meia com DNA de Simeone e Atlético de Madrid

0 Comentários
A Inglaterra superou seus traumas e, agora, se permite sonhar
Lucas Filus

A Inglaterra superou seus traumas e, agora, se permite sonhar

0 Comentários