O ADEUS DE UMA LENDA

Por @matheusdeluca_ Francesco Totti: entre categorias de base e time profissional, 28 anos de Roma. 784 jogos e 307 gols. Um Campeonato Italiano, duas Copas da Itália, uma Supercopa da Itália e uma Copa do Mundo. O primeiro parágrafo deste texto é capaz de dimensionar a representatividade e a importância de Totti para os romanistas e […]

Por @matheusdeluca_

Francesco Totti: entre categorias de base e time profissional, 28 anos de Roma. 784 jogos e 307 gols. Um Campeonato Italiano, duas Copas da Itália, uma Supercopa da Itália e uma Copa do Mundo. O primeiro parágrafo deste texto é capaz de dimensionar a representatividade e a importância de Totti para os romanistas e para o futebol; mas iremos mais fundo.

Desde garoto Francesco colocava sua paixão acima de qualquer coisa. Fato comprovado após recusar, aos 13 anos de idade, propostas da Lazio e do Milan. Totti preferia ficar em casa a jogar em outro clube que não fosse a Roma. Estreou na Série A aos 16 anos de idade e desde então faz história. Ainda jovem,Totti não era utilizado pelo técnico argentino Carlos Bianchi, e seu empréstimo à Sampdoria chegou a ser cogitado. O presidente Franco Sesi decidiu intervir e quem acabou saindo foi o técnico. Bom para a Roma, para Totti e para o futebol.

Zdenek Zeman assumiu a Roma e ainda naquele ano Totti vestiu a tradicional camisa 10 que nunca mais abandonaria. No ano seguinte, era capitão do time da capital, aos 22 anos de idade. Os títulos vieram e Totti já havia caído nas graças dos torcedores.

Aos 27 anos e em seu auge, disse não à proposta de Florentino Pérez para compor o esquadrão galáctico do Real Madrid. Mais uma prova de amor a Roma.

Em sua longeva carreira, Totti foi um verdadeiro Camisa 10. Criativo e habilidoso, ditava o ritmo do jogo. Taticamente inteligente, jogou por muito tempo como um meia-esquerda no 4-3-3 de Zeman, sempre se deslocando para a faixa central do campo. Essa movimentação lhe dava iguais condições de finalizar ou assistir seus companheiros. Na Era Capello, foi o homem de criação do 3-4-1-2, alimentando Batistuta com seus passes açucarados e criativos. Já com Spaletti, passou a jogar como falso 9. Totti se adaptou durante toda sua carreira, e aprendeu a jogar em diferentes posições de acordo com sua idade e força física.

Não foi campeão muitas vezes. Integrou muitos elencos medianos que dificilmente o levariam às glórias. Mas para Totti o futebol sempre foi mais que o primeiro lugar. Decidiu fazer história em casa e ser ídolo de seu povo.

Totti é a prova viva de que, algumas vezes, o amor à camisa prevalece e fala mais alto. Foi um torcedor, apaixonado e devoto à Roma desde sempre, e para sempre.

“Por que passei minha vida inteira na Roma?

A Roma é minha família, meus amigos, as pessoas que amo. Roma é o mar, as montanhas, os monumentos. Roma, evidentemente, são os romanos.

Roma é amarelo e vermelho.

Roma, para mim, é o mundo.

Este clube e esta cidade são minha vida.

Sempre.”

Um romanista em campo, uma lenda do futebol. Sentiremos falta de Francesco Totti.

IMG_8448
Compartilhe

Comente!

Tem algo a dizer?

Footure

Últimas Postagens

Power in Motion: o projeto de restabelecimento do Dínamo de Moscou
Caio Nascimento

Power in Motion: o projeto de restabelecimento do Dínamo de Moscou

0 Comentários
Em sua primeira final europeia da história, o Villarreal desbanca o Arsenal nas semis da Europa League
Bruna Mendes

Em sua primeira final europeia da história, o Villarreal desbanca o Arsenal nas semis da Europa League

0 Comentários
A coerência no Chelsea de Thomas Tuchel e no City de Pep Guardiola
Lucas Filus

A coerência no Chelsea de Thomas Tuchel e no City de Pep Guardiola

0 Comentários
O que fez Darío Sarmiento chamar a atenção do Manchester City?
Dimitri Barcellos

O que fez Darío Sarmiento chamar a atenção do Manchester City?

0 Comentários
Paul Pogba pode ser o primeiro ‘reforço’ do United para a próxima temporada
Lucas Filus

Paul Pogba pode ser o primeiro 'reforço’ do United para a próxima temporada

0 Comentários
A vez da geração 2004: conheça Matheus Nascimento, Cowell, Sesko e Demir
Caio Nascimento

A vez da geração 2004: conheça Matheus Nascimento, Cowell, Sesko e Demir

0 Comentários
Por que João Pedro é a tábua de salvação para o Cagliari
Caio Bitencourt

Por que João Pedro é a tábua de salvação para o Cagliari

0 Comentários
Biotipo, velocidade de raciocínio e tomada de decisão: o que é a intensidade no futebol
Caio Alves

Biotipo, velocidade de raciocínio e tomada de decisão: o que é a intensidade no futebol

0 Comentários
Knappenschmiede: a histórica forja do Schalke 04 em meio a turbulência existencial do clube
Caio Nascimento

Knappenschmiede: a histórica forja do Schalke 04 em meio a turbulência existencial do clube

0 Comentários
Campeão da Copa do Rei, Barcelona domina o Athletic e busca o doblete
Bruna Mendes

Campeão da Copa do Rei, Barcelona domina o Athletic e busca o doblete

0 Comentários
O que a contratação de Alexandre Gallo pode aportar ao Santa Cruz?
Jonatan Cavalcante

O que a contratação de Alexandre Gallo pode aportar ao Santa Cruz?

0 Comentários
4 histórias para se observar na fase de grupos da Libertadores 2021
Dimitri Barcellos

4 histórias para se observar na fase de grupos da Libertadores 2021

0 Comentários
Raúl Bobadilla e Abel Hernández: conheça os novos centroavantes do Fluminense
Gabriel Corrêa

Raúl Bobadilla e Abel Hernández: conheça os novos centroavantes do Fluminense

0 Comentários
Kayky, Galarza, Nestor, Kaiky, Rodrigo Varanda e o semestre animador dos garotos da base brasileira
Caio Nascimento

Kayky, Galarza, Nestor, Kaiky, Rodrigo Varanda e o semestre animador dos garotos da base brasileira

0 Comentários
As transições da Inter que as deixam na cara do gol (e do Scudetto)
Caio Bitencourt

As transições da Inter que as deixam na cara do gol (e do Scudetto)

0 Comentários