O MÉTODO SAMPAOLI

Por @maiiron_ Esqueça o Bielsismo. De fato Jorge Sampaoli é um “reprodutor de ideias”. Bebe da água de Cruyff, Guardiola, Ricardo La Volpe e Menotti. Sempre rodeado de bons auxiliares; antes com Sebástian Beccacece e agora com o fantástico Juanma Lillo (que vai ser debatido aqui no Footure em breve), Sampaoli é um dos treinadores […]

Por @maiiron_

Esqueça o Bielsismo. De fato Jorge Sampaoli é um “reprodutor de ideias”. Bebe da água de Cruyff, Guardiola, Ricardo La Volpe e Menotti. Sempre rodeado de bons auxiliares; antes com Sebástian Beccacece e agora com o fantástico Juanma Lillo (que vai ser debatido aqui no Footure em breve), Sampaoli é um dos treinadores da nova safra que parece ter como limite o céu.

Sabemos que a ideia de jogo nunca pode ser diferente do que o elenco pode te entregar, que querer propor jogo com jogadores prontos e preparados para ter contragolpe é um tiro no pé. Sampaoli chegou ao Sevilla e “resetou” o clube. Unai Emery, bicampeão da Europa League, é um mestre em controlar o jogo sem a bola e reagir. Sampaoli é o oposto. Com N’Zonzi, Mudo Vázquez, Nasri e Jovetic no setor de meio agregou toque. Com Lenglet e Pareja na defesa uma saída construída por baixo. Ainda chegou Walter Montoya, um “ponteiro” que o treinador gosta; faz o lado do campo, ataca e defende com a mesma qualidade.

Agora é hora de falar do método. Apontarei alguns conceitos claríssimos no jogo dos times treinados por Sampaoli, começando pelos conceitos ofensivos:

Saída estruturada: Sérgio Rico é o goleiro que mais toca na bola na atual La Liga. Tudo começa com ele, tirando a bola da zona de pressão. Se alguém sobe a marcação, ele encontra um companheiro na linha de meio ou nas laterais. A saída de três é um dos pilares do Sampaoli: um volante se alinha aos zagueiros, os laterais caem para dentro e os meias mais ofensivos se posicionam na entrelinha para o jogo progredir com qualidade.

O goleiro Sérgio Rico é um protagonista da saída curta pelo chão
O goleiro Sérgio Rico é um protagonista da saída curta pelo chão.

Jogo apoiado: Um dos grandes legados de Bielsa no futebol foi o “futebol associativo” ou o jogo apoiado. O Sevilla sempre tem dois ou três jogadores acima da linha da bola; o que torna a progressão vertical e não lateralizada, como era no Tiki-Taka de Del Bosque na Espanha.

Verticalidade: Pouca gente nota, mas os times de Sampaoli também arriscam passes longos. Os jogadores que dão profundidade pelos lados são prioridades nos esquemas do argentino. Seja para arrastar um adversário para fora do posicionamento inicial, seja para gerar superioridade numérica no ataque.

Conceitos defensivos:

Perde-Pressiona: Sabe o jogo apoiado? Então, ele se justifica na hora de recuperar a bola. Por ter gente próxima, rodando a bola, os times do Sampaoli mal “correm atrás” de adversário quando perdem a bola. Com jogadores próximos fica mais fácil gerar superioridade numérica e pressionar a zona da bola.

Recomposição: Raramente os times de Sampaoli tomam gols de contragolpe. Mesmo com a pressão pós perda não funcionando, o time se reorganiza rapidamente na hora de defender.

Steven N'Zonzi é peça fundamental para o balanço defensivo de Sampaoli.
Steven N’Zonzi é peça fundamental para o balanço defensivo de Sampaoli.

Pressão alta: Sabe o “marca lá em cima e a gente corre menos atrás de adversário”? É isso. Marcando mais alto, o rival tende a “rifar” a bola e perder o domínio.

Compartilhe

Comente!

Tem algo a dizer?

Mairon Rodrigues

Últimas Postagens

A onda tecnicista na função do auxiliar técnico de futebol
Jonatan Cavalcante

A onda tecnicista na função do auxiliar técnico de futebol

0 Comentários
Friendly #1 | Imaginar e construir o futuro, a habilidade fundamental do século XXI
Footure

Friendly #1 | Imaginar e construir o futuro, a habilidade fundamental do século XXI

0 Comentários
Surpresa e tradição: os classificados para as quartas do futebol masculino na Olimpíada
Caio Nascimento

Surpresa e tradição: os classificados para as quartas do futebol masculino na Olimpíada

0 Comentários
Osimhen, Simy, e a problemática das narrativas sobre jogadores africanos
Caio Bitencourt

Osimhen, Simy, e a problemática das narrativas sobre jogadores africanos

0 Comentários
O que esperar do Real Madrid para os próximos anos com Carlo Ancelotti?
Bruna Mendes

O que esperar do Real Madrid para os próximos anos com Carlo Ancelotti?

0 Comentários
O que explica as goleadas do Flamengo com Renato Gaúcho?
Gabriel de Assis

O que explica as goleadas do Flamengo com Renato Gaúcho?

0 Comentários
Como o Vojvodismo transformou o Fortaleza em protagonista no futebol brasileiro?
Jonatan Cavalcante

Como o Vojvodismo transformou o Fortaleza em protagonista no futebol brasileiro?

0 Comentários
God Save the Game #34 | A janela de transferências da Premier League 21/22
Gabriel Corrêa

God Save the Game #34 | A janela de transferências da Premier League 21/22

0 Comentários
Felipão chega entregando o de sempre: segurança e resultado
Gabriel de Assis

Felipão chega entregando o de sempre: segurança e resultado

0 Comentários
Guia do futebol masculino na Olimpíada de Tokyo 2020: parte 2
Caio Nascimento

Guia do futebol masculino na Olimpíada de Tokyo 2020: parte 2

0 Comentários
A Itália ainda pode crescer após o título da Euro?
Caio Bitencourt

A Itália ainda pode crescer após o título da Euro?

0 Comentários
Guia do futebol masculino na Olimpíada de Tokyo 2020: parte 1
Caio Nascimento

Guia do futebol masculino na Olimpíada de Tokyo 2020: parte 1

0 Comentários
O complicado início de Diego Aguirre no Internacional
Gabriel de Assis

O complicado início de Diego Aguirre no Internacional

0 Comentários
Rodrigo De Paul: o meia com DNA de Simeone e Atlético de Madrid
Bruna Mendes

Rodrigo De Paul: o meia com DNA de Simeone e Atlético de Madrid

0 Comentários
A Inglaterra superou seus traumas e, agora, se permite sonhar
Lucas Filus

A Inglaterra superou seus traumas e, agora, se permite sonhar

0 Comentários