O POLÊMICO QUINTEROS

Por @BolivarSilveira Ame ou deixe-o. É com este sentimento que o povo equatoriano se relacionou com ex-treinador da seleção nacional, Gustavo Quinteros, demitido esta semana do comando da La Tri. Quinteros ficou dois anos à frente do Equador e, após um bom começo, não resistiu à sequência de quatro derrotas. O técnico que atraiu olhares pelos […]

Por @BolivarSilveira

Ame ou deixe-o. É com este sentimento que o povo equatoriano se relacionou com ex-treinador da seleção nacional, Gustavo Quinteros, demitido esta semana do comando da La Tri. Quinteros ficou dois anos à frente do Equador e, após um bom começo, não resistiu à sequência de quatro derrotas. O técnico que atraiu olhares pelos troféus nacionais conquistados coleciona amores e ódios por onde passa. Controverso, mas, acima do personagem, um técnico cujas equipes montadas têm uma forma marcante de jogar.

Gustavo Quinteros, argentino de nascimento, naturalizou-se boliviano após uma longa passagem como jogador pelo futebol do país, onde atuou por The Strongest e San José. Em terras bolivianas o treinador amadureceu e alcançou resultados expressivos na carreira. Conquistou quatro campeonatos nacionais por três equipes diferentes em seis anos, feito inédito que o levou a comandar a Bolívia. Pela seleção nacional os resultados foram pífios e o desempenho pior ainda, acarretando numa demissão com menos de dois anos de trabalho e grande insatisfação dos aficionados.

Em 2013, após o fracasso comandando sua seleção, Quinteros desembarcou no Equador para treinar o Emelec, clube que permaneceu até meados de 2015. Pelos elétricos o treinador foi bicampeão equatoriano, conquista que há mais de 10 anos seus torcedores esperavam. Os resultados vieram acompanhados de um ótimo desempenho. Quase sempre utilizando um 4-2-3-1 ou 4-4-2, o Emelec contava com Gaibor e Quiñonez para ditar o ritmo e encontrar os pontas livres; função que desempenhavam com excelência com seus lançamentos em profundidade característicos. Na linha de três, Bolaños, Angel Mena e Caicedo davam a intensidade e qualidade fantásticas, que se completava com Denis Stracqualursi como homem de referência para jogadas altas ou pivô. Defensivamente, Alchiller era o xerife de uma zaga nem tanto segura. Tradicionalmente, Quinteros utilizava uma marcação individual e alta, que em alguns momentos falhava, mas contava com o ímpeto físico do bom Alchiller. Seu Emelec tornou-se sinônimo de ofensividade no país. Um time que marcava alto, queria a bola no campo do rival e tinha seus jovens talentos com sede de gol.

QUINTEROS2

O futebol apresentado pelo Emelec era tão vistoso e de bons resultados que a Federação Equatoriano resolveu contratar o treinador. Uma mudança drástica na filosofia de futebol que levou o Equador às oitavas de uma Copa do Mundo com um modelo marcado pelo contra-ataque e jogo físico. Logicamente Quinteros trouxe uma renovação à Seleção, que há muitos anos tinha um DNA próprio. Isso incomodou grande parte da imprensa local, que pediu sua demissão nos primeiros resultados negativos.

Como espinha dorsal do time, o treinador elegeu seus antigos comandados de Emelec. Decisão muito criticada pela imprensa local. O futebol apresentado também mudou: saiu o contra-ataque e a defesa por zona e chegou a marcação pressão, o jogo por dentro e a saída rápida dos pontas, que atuavam com pé contrário para buscar o gol ou com objetivo de chegar ao fundo e cruzar.  Em 2016, após um ano a frente do selecionado, alcançou as quartas de finais da Copa América, sendo desclassificado pelos anfitriões Estados Unidos. Foi a terceira melhor campanha da história do selecionado no torneio que não passava da primeira fase desde a edição de 1997.

O começo das Eliminatórias marcou o auge do futebol da seleção nacional, com quatro vitórias seguidas, sendo duas dessas contra Argentina e Uruguai, alçando o Equador como líder inquestionável da competição.  Com intensidade e vitória pessoal, Bolaños, Arroyo e Toño Valencia cumpriam muito bem os seus papeis para a transição do time. Noboa, Quiñones  e Montero conseguiam dar fluidez e destruir as jogadas rivais rapidamente. Caicedo e Angel Mena eram as opções dentro da área, tanto como pivô como para jogadas de infiltração. Infelizmente para os equatorianos, no decorrer do campeonato, o treinador perdeu alguns destes jogadores por lesão e foi caindo na tabela vertiginosamente. A queda culminou com a demissão do comandante, contestado principalmente por sua maneira individual de defender. Segundo o diagnóstico da imprensa equatoriana, isso explica os 24 gols sofridos em 16 jogos.

QUINTEROS3

Visto por muitos como um treinador em franca ascensão na carreira e com boas ideias de futebol, Gustavo Quinteros ainda é um profissional em construção. Um treinador de posições firmes, um jogo marcante e ofensivo. Está livre no mercado, e nós o monitoraremos de perto.

Compartilhe

Comente!

Tem algo a dizer?

Bolívar Silveira

Últimas Postagens

Power in Motion: o projeto de restabelecimento do Dínamo de Moscou
Caio Nascimento

Power in Motion: o projeto de restabelecimento do Dínamo de Moscou

0 Comentários
Em sua primeira final europeia da história, o Villarreal desbanca o Arsenal nas semis da Europa League
Bruna Mendes

Em sua primeira final europeia da história, o Villarreal desbanca o Arsenal nas semis da Europa League

0 Comentários
A coerência no Chelsea de Thomas Tuchel e no City de Pep Guardiola
Lucas Filus

A coerência no Chelsea de Thomas Tuchel e no City de Pep Guardiola

0 Comentários
O que fez Darío Sarmiento chamar a atenção do Manchester City?
Dimitri Barcellos

O que fez Darío Sarmiento chamar a atenção do Manchester City?

0 Comentários
Paul Pogba pode ser o primeiro ‘reforço’ do United para a próxima temporada
Lucas Filus

Paul Pogba pode ser o primeiro 'reforço’ do United para a próxima temporada

0 Comentários
A vez da geração 2004: conheça Matheus Nascimento, Cowell, Sesko e Demir
Caio Nascimento

A vez da geração 2004: conheça Matheus Nascimento, Cowell, Sesko e Demir

0 Comentários
Por que João Pedro é a tábua de salvação para o Cagliari
Caio Bitencourt

Por que João Pedro é a tábua de salvação para o Cagliari

0 Comentários
Biotipo, velocidade de raciocínio e tomada de decisão: o que é a intensidade no futebol
Caio Alves

Biotipo, velocidade de raciocínio e tomada de decisão: o que é a intensidade no futebol

0 Comentários
Knappenschmiede: a histórica forja do Schalke 04 em meio a turbulência existencial do clube
Caio Nascimento

Knappenschmiede: a histórica forja do Schalke 04 em meio a turbulência existencial do clube

0 Comentários
Campeão da Copa do Rei, Barcelona domina o Athletic e busca o doblete
Bruna Mendes

Campeão da Copa do Rei, Barcelona domina o Athletic e busca o doblete

0 Comentários
O que a contratação de Alexandre Gallo pode aportar ao Santa Cruz?
Jonatan Cavalcante

O que a contratação de Alexandre Gallo pode aportar ao Santa Cruz?

0 Comentários
4 histórias para se observar na fase de grupos da Libertadores 2021
Dimitri Barcellos

4 histórias para se observar na fase de grupos da Libertadores 2021

0 Comentários
Raúl Bobadilla e Abel Hernández: conheça os novos centroavantes do Fluminense
Gabriel Corrêa

Raúl Bobadilla e Abel Hernández: conheça os novos centroavantes do Fluminense

0 Comentários
Kayky, Galarza, Nestor, Kaiky, Rodrigo Varanda e o semestre animador dos garotos da base brasileira
Caio Nascimento

Kayky, Galarza, Nestor, Kaiky, Rodrigo Varanda e o semestre animador dos garotos da base brasileira

0 Comentários
As transições da Inter que as deixam na cara do gol (e do Scudetto)
Caio Bitencourt

As transições da Inter que as deixam na cara do gol (e do Scudetto)

0 Comentários