Por que o CSA pode permanecer na Série A

Sob o comando de Argel Fucks, a equipe alagoana tem conquistado bons resultados no Brasileirão, que dão esperanças para uma possível manutenção na primeira divisão

O roteiro do rebaixamento do CSA estava escrito antes mesmo do início do Campeonato Brasileiro de 2019. Aliada à incapacidade de Marcelo Cabo em fazer o time render, a duvidosa montagem do elenco foi exposta nas primeiras rodadas do torneio — com uma vitória em 14 jogos — , e parecia não apresentar margem para evoluções. Apesar do mau início, o técnico Argel Fucks contrariou a lógica, e tem reacendido a esperança do torcedor azulino a cada gota de suor derrubada pela equipe.

Ao longo de sua carreira, o treinador gaúcho ganhou o rótulo de “motivador”, e basta assistir a um jogo do CSA para entender o porquê. Não que o time atue somente na base da vontade e conquiste seus resultados unicamente por isso, até porque o Campeonato Brasileiro não é um torneio interclasses. Entretanto, a intensidade que o modelo proposto por Argel necessita é vista dentro de campo, e os méritos da equipe conversam diretamente com ela.

Argel livrou o Vitória do descenso em 2016 (Foto: Matheus Pimenta/Ascom CSA)

O encaixe é bastante evidente em partidas no Rei Pelé. Mesmo sendo o segundo mandante que menos chuta a gol (12,2 finalizações/jogo) e o 19º em posse de bola (44%), o time venceu cinco dos últimos sete jogos do Brasileiro em casa. Não é um futebol envolvente, mas funciona e é consistente. Derrotado no meio da última semana, o Corinthians que o diga.

Claro, a equipe treinada por Carille está em uma crise técnica — mas isso não pode tirar os méritos do CSA. O mandante se impôs fisicamente e, com ataques diretos, causou problemas para o adversário. Contra o Flamengo, apesar da derrota, o time também deu trabalho. E assim têm sido os últimos jogos do Azulão: recomposição rápida, organização defensiva com blocos baixos e compactos, velocidade ao retomar a bola e ataques diretos, com não mais que cinco jogadores, finalizados em poucos segundos.

A postura defensiva, aliás, tornou o time competitivo. Nos últimos sete jogos em casa, foram cinco gols sofridos. Mesmo sob seus domínios, o CSA não costuma pressionar alto e, com o maior número possível de jogadores atrás da bola, dificulta as ações do visitante. Desde que Argel assumiu, o time jamais perdeu após sair na frente (nas seis partidas que marcou o primeiro gol, venceu quatro e cedeu o empate em duas), o que comprova a capacidade da equipe de proteger a própria meta.

O CORINGA 

Jonathan Gómez, Ricardo Bueno e Carlinhos são alguns dos bons jogadores da equipe alagoana no Brasileirão. No entanto, é Apodi quem melhor resume as ideias de Argel, que têm se provado efetivas em mais momentos do que o esperado. Mesmo sem ser um primor técnico, o jogador de 32 anos se tornou uma das armas da equipe. Como um verdadeiro coringa, atuando em diversas posições, ele tem colaborado com gols e assistências ao ser o escape para os rápidos contra-ataques do time.

Movimentações chaves da Flecha Azulina na partida diante do Corinthians

Quando retomam a bola, os jogadores alviazuis sempre levam o olhar a Apodi. Recebendo passes na profundidade, o polivalente jogador costuma acelerar os ataques do time com conduções, raramente buscando aproximações e toques rápidos. Isso faz com que o time ataque com menos jogadores, mas, ao mesmo tempo, não permita a plena recomposição defensiva do adversário.

Ao longo de todo o campeonato, Apodi já atuou como lateral direito, extremo pela esquerda e pela direita, em um 4-2-3-1, e até como um interior, num 4-3-3. Sua versatilidade permite que Argel encaixe a marcação em relação ao adversário e conte, sempre, com a sua velocidade. Quando o rival possui laterais fortes no apoio, é ele o encarregado de persegui-los. Foi assim com Fagner e Rafinha, por exemplo, em duas ótimas (e intensas) atuações defensivas do jogador.

Polivalência (Foto: Francisco Cedrim/RCortez/CSA)

É possível resumir seu jogo em números. Apodi acerta, com uma precisão de 75%, 13 passes por partida. Como ele tem liberdade para conduzir a bola, o número baixo faz bastante sentido — bem como o alto valor de perdas de bola (9 por jogo). É um jogador direto, com a cara do treinador, e que tem sido bastante útil para a equipe em cenários de transição. 

VAI DAR?

Argel assumiu a equipe na décima rodada. Desde então, o aproveitamento no Rei Pelé é de 60% — são cinco vitórias, três empates e duas derrotas em dez jogos. Não é o melhor dos retrospectos, mas, ao mesmo tempo, não parece o histórico de um time fadado ao rebaixamento desde o início do campeonato. Com 29 pontos, o time está a uma vitória do Cruzeiro, 16º colocado. 

Argel e seus comandados (ou soldados, como ele gosta de se referir) rasgaram aquele roteiro do início. Fazem um segundo turno honroso, melhor que o de equipes como Bahia, Corinthians e Internacional. A tarefa ainda é difícil. No entanto, ela já parece alcançável, e os confrontos diretos nas rodadas finais serão essenciais para isso.

Compartilhe

Comente!

Tem algo a dizer?

Últimas Postagens

O caminho da Seleção, as mudanças de Tite e um norte para o Catar
Aurelio Solano

O caminho da Seleção, as mudanças de Tite e um norte para o Catar

0 Comentários
Cinco promessas africanas na base de clubes europeus
Caio Nascimento

Cinco promessas africanas na base de clubes europeus

0 Comentários
Pellegrini: a história dos romanos na Roma continua
Caio Bitencourt

Pellegrini: a história dos romanos na Roma continua

0 Comentários
A afirmação da Espanha e sua nova geração
Bruna Mendes

A afirmação da Espanha e sua nova geração

0 Comentários
Guto Ferreira coloca o Bahia para acelerar
Gabriel de Assis

Guto Ferreira coloca o Bahia para acelerar

0 Comentários
RAIO-X: De onde saem as assistências dos líderes do quesito na Série B
Douglas Batista

RAIO-X: De onde saem as assistências dos líderes do quesito na Série B

0 Comentários
Os destaques dos 8 classificados no Brasileirão Sub-20
Caio Nascimento

Os destaques dos 8 classificados no Brasileirão Sub-20

0 Comentários
A reinvenção de Brahim Diaz no meio-campo do Milan
Caio Bitencourt

A reinvenção de Brahim Diaz no meio-campo do Milan

0 Comentários
Maduro, o Red Bull Bragantino se aproxima de fazer história
Gabriel de Assis

Maduro, o Red Bull Bragantino se aproxima de fazer história

0 Comentários
Friendly #7 | O novo rico Newcastle, Sports Washing e a ‘era’ de clube-estado
Eduardo Dias

Friendly #7 | O novo rico Newcastle, Sports Washing e a 'era' de clube-estado

0 Comentários
Napoli: O impacto inicial de Anguissa com a camisa partenopei
Caio Bitencourt

Napoli: O impacto inicial de Anguissa com a camisa partenopei

0 Comentários
O Grande Norte e os grandes desafios: o que o futuro reserva para o futebol masculino do Canadá?
Caio Nascimento

O Grande Norte e os grandes desafios: o que o futuro reserva para o futebol masculino do Canadá?

0 Comentários
O agressivo América/MG de Vagner Mancini
Gabriel de Assis

O agressivo América/MG de Vagner Mancini

0 Comentários
O Botafogo/PB em busca de um acesso histórico na Paraíba
Douglas Batista

O Botafogo/PB em busca de um acesso histórico na Paraíba

0 Comentários
A disparidade entre Atlético de Madrid e Barcelona
Bruna Mendes

A disparidade entre Atlético de Madrid e Barcelona

0 Comentários