Sekou Koita e a técnica africana

O jovem malinense Sekou Koita surge como a principal promessa africana da nova geração

O continente africano sempre nos brindou com grandes jogadores. Atualmente, o melhor time da Europa conta com duas estrelas vindas de lá: Sadio Mané (Senegal) e Mo Salah (Egito), ambos do Liverpool. No entanto, a diversidade do grande continente permite lembrar-se de outros nomes como André Onana (goleiro camaronês), Kalidou Koulibaly (zagueiro senegalês), Ryad Mahrez (meia argelino), Wilfred Ndidi (meia nigeriano), Hakim Ziyech (meia marroquino), Nicolas Pépé (ponta marfinense), Pierre-Emerick Aubameyang (atacante gabonês) e entre outros.

Por diferentes razões, alguns jogadores nascidos no continente africano acabam optando por defender diferentes países durante a carreira. E muitos deles são jogadores de alto calibre. Entretanto, a mais nova promessa já se comprometeu com Mali e vem encantando os fãs de competições de base.

Trata-se de Sekou Koita, 20 anos, que defende o RB Salzburg. Sekou Koita fechou com a equipe austríaca, de fato, em 2019, porém, ele já estava ambientado ao futebol europeu porque defendeu o FC Leifering, que pertence ao conglomerado.

O malinês estreou pela seleção nacional com apenas 16 anos de idade ao entrar em campo no empate em 2×2 contra Uganda pela CHAN (Campeonato de Nações Africanas). Não confundir com a CAN, que é a Copa das Nações Africanas. A CHAN é apenas para jogadores que atuam no continente africano. Ele não só estreou como marcou seu primeiro gol como profissional nessa partida. Como referido antes, esse campeonato é apenas para jogadores que estão atuando em solo africano e, como as maiorias das estrelas já estão na Europa, muitas vezes esse torneio acaba sendo um celeiro.

No entanto, Sekou Koita não era conhecido apenas pela participação na CHAN, onde atuou nas seis partidas de Mali, que chegou à final contra a poderosa RD Congo, que terminou como campeã. Um ano antes, em 2015, Sekou já havia chamado a atenção em sua participação com a seleção das Águias, que, ironicamente, também ficou em segundo lugar, porém, do Mundial Sub-17 contra a Nigéria. Koita também participou de todos os compromissos no torneio, além de ter marcado dois gols e deixado duas assistências. Ele, inclusive, foi destaque no confronto das quartas-de-final contra a Croácia de Josip Brekalo e Nikola Moro, que eu destaquei na coluna anterior, e também nas semifinais contra a Bélgica de Dante Rigo, que pertence ao PSV.

Em 2019, Sekou Koita tornou a se destacar em um Mundial, porém, desta vez no Sub-20 na Polônia. Com mais maturidade e apresentando novas facetas dentro de campo, o camisa 20 liderou Mali até as quartas-de-final, quando caiu perante a Itália, uma das favoritas do torneio. Koita, no caso, chegou a empatar o jogo no primeiro tempo após linda jogada com Ibrahima Koné. Nas oitavas, contra a Argentina, o jovem promissor fez um grande jogo, mas ficou marcado pela esperteza na cobrança de falta que originou o empate de Mali no último minuto da prorrogação, que posteriormente levou às penalidades onde os africanos avançaram. No total, foram três gols e três assistências em sua participação no mundial.

Sekou Koita
Em constante evolução, Koita já atraiu a atenção do Milan no final de 2019. Foto: Getty.

E há um detalhe interessante por trás dessa campanha chamativa das Águias e de Sekou Koita. Meses antes, Mali se sagrou campeã da CAN sub-20, porém, a seleção só marcou quatro gols no torneio e Koita não participou de nenhum deles. Foi um torneio relativamente curto e as Águias surpreenderam ao desbancar a favorita Nigéria nos pênaltis na semifinal e Senegal também nas penalidades na grande final. As duas únicas partidas de mata-mata terminaram em 1×1.

Entre os profissionais, Koita foi titular em 14 partidas do Wolfsberger na temporada passada, onde esteve por empréstimo, e ajudou a modesta equipe austríaca a conquistar uma vaga na Europa League. Ele marcou cinco gols e deu três assistências. Na atual temporada, já pelo Salzburg, Koita foi titular em seis jogos dos 13 que participou. Ele marcou seis gols e deu duas assistências.

Como joga Sekou Koita?

A jovem promessa de 20 anos é canhota, mede 1,73m de altura e pode atuar tanto como extremo-esquerdo ou como meia-ofensivo no modelo 4-2-3-1, especialmente se o centroavante em questão tiver a função de pivô, pois Koita é um excelente finalizador vindo de frente para o gol. No Salzburg, costumeiramente ele atua ao lado de outra joia africana, o zambiano Patson Daka, um atacante esguio de 1,83m. Ambos são rápidos e inteligentes na movimentação, o que torna a equipe austríaca muito perigosa quando se tem espaço para explorar. Ele também pode atuar como segundo atacante no modelo 4-4-2 ou em outras variantes que impliquem em dois avançados. Aliás, no comecinho da carreira, Koita foi camisa 9.

E quando se fala de jovem africano no RB Salzburg, logo vem à mente a imagem do craque citado no começo da matéria, certo? O ideal é não comparar, mas o processo de maturação é bem semelhante entre os dois.

Sekou Koita está na lista da UEFA de 50 jovens para acompanhar em 2020

Com excelente controle de bola, drible, versatilidade ofensiva e finalização apurada com a perna esquerda, Sekou Koita virou referência quando o assunto é revelação. A única questão que paira sobre ele é o corpo, necessitando de mais músculo para competir em pé de igualdade no cenário europeu. Todavia, em termos técnicos e táticos, Koita parece ser o jogador mais preparado dessa nova geração africana.

Compartilhe

Comente!

Tem algo a dizer?

Caio Nascimento

Últimas Postagens

A onda tecnicista na função do auxiliar técnico de futebol
Jonatan Cavalcante

A onda tecnicista na função do auxiliar técnico de futebol

0 Comentários
Friendly #1 | Imaginar e construir o futuro, a habilidade fundamental do século XXI
Footure

Friendly #1 | Imaginar e construir o futuro, a habilidade fundamental do século XXI

0 Comentários
Surpresa e tradição: os classificados para as quartas do futebol masculino na Olimpíada
Caio Nascimento

Surpresa e tradição: os classificados para as quartas do futebol masculino na Olimpíada

0 Comentários
Osimhen, Simy, e a problemática das narrativas sobre jogadores africanos
Caio Bitencourt

Osimhen, Simy, e a problemática das narrativas sobre jogadores africanos

0 Comentários
O que esperar do Real Madrid para os próximos anos com Carlo Ancelotti?
Bruna Mendes

O que esperar do Real Madrid para os próximos anos com Carlo Ancelotti?

0 Comentários
O que explica as goleadas do Flamengo com Renato Gaúcho?
Gabriel de Assis

O que explica as goleadas do Flamengo com Renato Gaúcho?

0 Comentários
Como o Vojvodismo transformou o Fortaleza em protagonista no futebol brasileiro?
Jonatan Cavalcante

Como o Vojvodismo transformou o Fortaleza em protagonista no futebol brasileiro?

0 Comentários
God Save the Game #34 | A janela de transferências da Premier League 21/22
Gabriel Corrêa

God Save the Game #34 | A janela de transferências da Premier League 21/22

0 Comentários
Felipão chega entregando o de sempre: segurança e resultado
Gabriel de Assis

Felipão chega entregando o de sempre: segurança e resultado

0 Comentários
Guia do futebol masculino na Olimpíada de Tokyo 2020: parte 2
Caio Nascimento

Guia do futebol masculino na Olimpíada de Tokyo 2020: parte 2

0 Comentários
A Itália ainda pode crescer após o título da Euro?
Caio Bitencourt

A Itália ainda pode crescer após o título da Euro?

0 Comentários
Guia do futebol masculino na Olimpíada de Tokyo 2020: parte 1
Caio Nascimento

Guia do futebol masculino na Olimpíada de Tokyo 2020: parte 1

0 Comentários
O complicado início de Diego Aguirre no Internacional
Gabriel de Assis

O complicado início de Diego Aguirre no Internacional

0 Comentários
Rodrigo De Paul: o meia com DNA de Simeone e Atlético de Madrid
Bruna Mendes

Rodrigo De Paul: o meia com DNA de Simeone e Atlético de Madrid

0 Comentários
A Inglaterra superou seus traumas e, agora, se permite sonhar
Lucas Filus

A Inglaterra superou seus traumas e, agora, se permite sonhar

0 Comentários