O potencial do Valencia de Pepe Bordalás

Enfrentando problemas em relação ao seu sistema defensivo, o Valencia tem um dos melhores ataques da La Liga. O potencial da equipe é claro e seus jovens jogadores seguem sendo um dos maiores destaques da temporada 2021/22.

Depois de grandes temporadas no Getafe, Bordalás foi em direção a um novo projeto. É claro que no Getafe tudo era mais limitado, se tratando de elenco e principalmente de estrutura geral. Mesmo subindo de patamar se comparamos os dois clubes, o Valencia vem enfrentando problemas extra campo difíceis e que acabaram trazendo consequências na montagem de elenco, contratações, jogadores jovens saindo e também no desempenho dentro de campo. A última temporada foi bem abaixo do padrão em La Liga, porém os últimos seis meses de Bordalás no comando deixa visível a evolução acima da média.

Atualmente o Valencia tem a segunda menor média de idade da La Liga – atrás apenas do Barcelona. Do elenco, apenas quatro jogadores têm mais de 30 anos – o meia/lateral Daniel Wass, o zagueiro Gabriel Paulista e os dois goleiros Cillessen e Jaume

Além disso temos jovens estrelas em ascensão e dois dos principais jogadores espanhóis dentro do cenário europeu – José Gayà e Carlos Soler. Fora os dois craques e capitães do clube, outros jogadores com destaque na equipe são bem jovens ainda – Hugo Guillamón, Hugo Duro, Gonçalo Guedes e Maxi Gómez, por exemplo.

Juntos, os dois são responsáveis por 20 gols do Valencia de Bordalás na liga. (Reprodução/Valencia CF)

Historicamente em seus trabalhos, Bordalás sempre foi um mestre em construir grandes defesas e um sistema defensivo consistente, o que ironicamente é o principal problema da equipe nessa 2021/22.

O ataque produz como nunca e pela vitalidade das peças disponíveis a equipe é extremamente ágil, dinâmica e poderosa na transição ofensiva. Mas ainda precisa que a defesa mantenha um nível decente para sonhar mais alto. São 32 gols marcados e 32 gols sofridos em 20 jogos. Um número interessante se tratando de ataque – o 5º melhor ataque da La Liga –, mas muito ruim se tratando de defesa – 3º pior defesa.

A falta de jogadores no meio pode ser um motivo para isso, ainda que a equipe defenda razoavelmente bem sua própria área. O jogo lá e cá potencializa o ataque, mas desgasta muito seu sistema defensivo – que se encontra em dificuldade nesses cenários. O jogo contra o Real Madrid é um bom exemplo, a equipe se defendia muito bem, criava pouco, mas se defendia bem, e quando precisou sair para buscar o empate enfrentou problema ao ocupar espaços para conter o ótimo ataque merengue. Contra o Atleti, o empate foi de fato heroico, mas também expôs esse problema em relação à transição defensiva.

Hugo Guillamón chegou ao profissional como um zagueiro bem característico. Hugo ocupa bem sua posição e tem um excelente passe, o que o deixou como alternativa para Bordalás usar como um volante no 4-4-2. O potencial dentro disso talvez tire o melhor de Hugo, que tende a ser melhor como zagueiro, ainda que entregue como volante. A próxima janela de verão deve ter como foco essa função e talvez na zaga, em busca de novas peças ainda que Alderete e Gabriel Paulista sejam regulares.

O potencial dessa equipe é nítido atualmente, principalmente se tratando de níveis individuais no qual os jogadores se destacam semanalmente. Os problemas existem obviamente, os números aliados os contextos explicam bastante isso. Mas apenas com o tempo e um trabalho com respaldo da diretoria pode ser solução para eles. Bordalás é excelente, um dos melhores técnicos do campeonato e tem tudo para fazer dessa equipe um grande fator para competir na Espanha e, quem sabe, na Europa novamente nos próximos anos. 

Compartilhe

Comente!

Tem algo a dizer?

Últimas Postagens

Por que a Roma perdeu a mão ao fazer futebol?
Caio Bitencourt

Por que a Roma perdeu a mão ao fazer futebol?

0 Comentários
Silvio Romero: como se movimenta e finaliza as jogadas?
Jonatan Cavalcante

Silvio Romero: como se movimenta e finaliza as jogadas?

0 Comentários
Como funciona o sistema de marcação do Torino de Ivan Juric
Caio Bitencourt

Como funciona o sistema de marcação do Torino de Ivan Juric

0 Comentários
Schick: ‘intruso’ em meio a Lewandowski e Haaland
Gabriel Belo

Schick: 'intruso' em meio a Lewandowski e Haaland

0 Comentários
Destaques da Copa São Paulo – Eliminados na primeira fase
Douglas Batista

Destaques da Copa São Paulo - Eliminados na primeira fase

0 Comentários
Cuiabá tem atuação boa e consciente no mercado
Gabriel de Assis

Cuiabá tem atuação boa e consciente no mercado

0 Comentários
Pedro Naressi: acrescenta competitividade e repertório ao Sport
Jonatan Cavalcante

Pedro Naressi: acrescenta competitividade e repertório ao Sport

0 Comentários
O que é um ‘Falso 9’ e quais as diferenças entre os diversos tipos de centroavantes

O que é um 'Falso 9' e quais as diferenças entre os diversos tipos de centroavantes

Aurelio Solano
O encaixe dos reforços do Fluminense e Abel Braga
Gabriel de Assis

O encaixe dos reforços do Fluminense e Abel Braga

0 Comentários
Como Ferran Torres pode ajudar o Barcelona?
Bruna Mendes

Como Ferran Torres pode ajudar o Barcelona?

0 Comentários
As virtudes e vulnerabilidades que Richardson aporta ao Ceará
Jonatan Cavalcante

As virtudes e vulnerabilidades que Richardson aporta ao Ceará

0 Comentários
As perguntas e respostas que fazem evoluir o jogo
Luís Cristovão

As perguntas e respostas que fazem evoluir o jogo

0 Comentários
Cuca deixa o Atlético Mineiro como um dos melhores trabalhos de sua carreira
Gabriel de Assis

Cuca deixa o Atlético Mineiro como um dos melhores trabalhos de sua carreira

0 Comentários
Paulo Sousa: “O futebol é baseado no espaço e tempo”
Renato Gomes

Paulo Sousa: “O futebol é baseado no espaço e tempo”

1 Comentários
Há algo de podre no jeito italiano de se fazer futebol: o caso Salernitana
Caio Bitencourt

Há algo de podre no jeito italiano de se fazer futebol: o caso Salernitana

0 Comentários