Maddison ou Grealish: existe uma resposta para a questão? | Parte 1

Um dos temas mais debatidos na temporada da Premier League, é necessário antes de tudo entender o perfil de Maddison e Grealish em campo

Todo o entorno do futebol é viciado em comparações. Algumas incompreensíveis, outras que fazem um pouco mais de sentido dentro de determinado contexto. Na Inglaterra, a questão do momento – desde as primeiras semanas da temporada – coloca frente a frente dois jogadores de destaque: James Maddison, do Leicester; e Jack Grealish, do Aston Villa.

Possíveis alvos do Manchester United para as próximas janelas, certamente não vão faltar clubes dispostos a garantirem os seus serviços. Os motivos para tentar definir quem é melhor são pequenos, mas cada vez maiores para entendermos o perfil de cada um. Ambos são, originalmente, meias criativos que despontaram jogando na função de ‘10’, atrás do atacante e municiando a linha ofensiva nas proximidades do gol.

Por conta dos sistemas adotados por seus treinadores, em 2019/20 fizeram apenas duas partidas nesta posição específica. E, mesmo se a zona em que colocam os nomes na escalação não sejam fixas, isso gera diferentes aspectos na análise.

Como joga Maddison?

No 4-3-3/4-1-4-1 utilizado por Brendan Rodgers em 24 dos 29 jogos da Premier League, Maddison inicia seus movimentos como um meia central, recuando para facilitar a transição da defesa para o ataque.

Normalmente já tem um passe vertical engatilhado antes de receber a bola e busca a todo momento encontrar companheiros que estejam ameaçando a linha de zaga adversária. A infiltração constante de Barnes, Vardy e Ayoze Pérez é essencial para que seu principal atributo cause impacto. O que costuma acontecer com certa frequência. Mesmo que as últimas semanas não tenham sido das melhores, com uma visível queda coletiva e individual da equipe, acentuada por lesões importantes. 

O camisa 10 tem visão de sobra e a execução chama atenção por estar sempre carregada com um propósito incisivo; a maioria dos seus toques praticamente conduz de modo natural ao chute. Finalização dominada por ele também, capaz de surpreender com força e categoria de média e longa distância. É um ótimo cobrador de faltas e provavelmente apenas Ward-Prowse, do Southampton, rivaliza com ele nos escanteios. Uma arma e tanto para quem tem bons cabeceadores. 

Cai muito pelo lado esquerdo, iniciando tabelas com Chilwell e atraindo a marcação para liberar os avanços do lateral e de Barnes. Quando a jogada está sendo tramada em zonas mais distantes e não ‘precisa’ de sua participação direta, porém, vai acompanhando e chegando na entrada da área para receber a assistência ou pegar possíveis sobras e concluir

Entretanto, salvo esses momentos isolados, suas ações sem a posse raramente visam a própria infiltração. Pelo contrário, espera a bola no pé para ser o cérebro do setor ofensivo.  E, quando o chega a vez do oponente criar, aparecem os seus defeitos. Em um esporte atualmente dominado pela briga acirrada por espaços e sistemas que pressionam, James deixa a desejar na contribuição defensiva.

Recentemente até vem se dedicando mais, talvez um sinal de que está se preparando para chegar em um grande clube condicionado às redobradas exigências, mas seu perfil é de quem descansa enquanto o adversário ataca e aguarda um eventual contra-ataque. Não fecha as linhas de passe e, com o meia que está ao seu lado normalmente sendo também mais ofensivo (Tielemans, Praet), acaba sobrecarregando o volante (Ndidi, salvo por contusão).

Até por sua tendência em flutuar para armar, certas regiões importantes ficam desprotegidas no momento em que o Leicester perde a bola e seu papel no counterpressing é fraco. É um tipo de atitude que, se não mina o seu considerável potencial, precisa ser levada em conta pelos treinadores que o tem em suas watchlists.

Compreendendo os seus atributos, maximizando os fortes e minimizando os fracos com compensações no resto do time (táticas ou individuais), é um jogador super interessante.

E Jack Grealish? Como joga? É melhor ou pior

Vejo vocês na parte 2, semana que vem. 

Compartilhe

Comente!

Tem algo a dizer?

Últimas Postagens

Cinco promessas africanas na base de clubes europeus
Caio Nascimento

Cinco promessas africanas na base de clubes europeus

0 Comentários
Pellegrini: a história dos romanos na Roma continua
Caio Bitencourt

Pellegrini: a história dos romanos na Roma continua

0 Comentários
A afirmação da Espanha e sua nova geração
Bruna Mendes

A afirmação da Espanha e sua nova geração

0 Comentários
Guto Ferreira coloca o Bahia para acelerar
Gabriel de Assis

Guto Ferreira coloca o Bahia para acelerar

0 Comentários
RAIO-X: De onde saem as assistências dos líderes do quesito na Série B
Douglas Batista

RAIO-X: De onde saem as assistências dos líderes do quesito na Série B

0 Comentários
Os destaques dos 8 classificados no Brasileirão Sub-20
Caio Nascimento

Os destaques dos 8 classificados no Brasileirão Sub-20

0 Comentários
A reinvenção de Brahim Diaz no meio-campo do Milan
Caio Bitencourt

A reinvenção de Brahim Diaz no meio-campo do Milan

0 Comentários
Maduro, o Red Bull Bragantino se aproxima de fazer história
Gabriel de Assis

Maduro, o Red Bull Bragantino se aproxima de fazer história

0 Comentários
Friendly #7 | O novo rico Newcastle, Sports Washing e a ‘era’ de clube-estado
Eduardo Dias

Friendly #7 | O novo rico Newcastle, Sports Washing e a 'era' de clube-estado

0 Comentários
Napoli: O impacto inicial de Anguissa com a camisa partenopei
Caio Bitencourt

Napoli: O impacto inicial de Anguissa com a camisa partenopei

0 Comentários
O Grande Norte e os grandes desafios: o que o futuro reserva para o futebol masculino do Canadá?
Caio Nascimento

O Grande Norte e os grandes desafios: o que o futuro reserva para o futebol masculino do Canadá?

0 Comentários
O agressivo América/MG de Vagner Mancini
Gabriel de Assis

O agressivo América/MG de Vagner Mancini

0 Comentários
O Botafogo/PB em busca de um acesso histórico na Paraíba
Douglas Batista

O Botafogo/PB em busca de um acesso histórico na Paraíba

0 Comentários
A disparidade entre Atlético de Madrid e Barcelona
Bruna Mendes

A disparidade entre Atlético de Madrid e Barcelona

0 Comentários
Tuchel, Solskjaer, tropeços e realidades diferentes
Lucas Filus

Tuchel, Solskjaer, tropeços e realidades diferentes

0 Comentários