Qual a melhor solução para o futuro da Serie A e do futebol italiano?

Um debate sobre as possíveis soluções para essa temporada da Série A, da Coppa Italia e das copas europeias

Todos sabem da pandemia de coronavírus pelo mundo, e que em meio a tudo isso, pela primeira vez em 100 anos, se abre a possibilidade de uma temporada da Serie A não acabar, sendo a última, em 1916–17, interrompida pela Primeira Guerra Mundial.

Mas, e agora, o que a liga poderia fazer em meio a essa pandemia? É claro que para se jogar, tudo depende da medida em que os casos do COVID-19 crescerem ou não a cada dia em território italiano, embora o número de mortes pareça cair nos últimos dias.

É preciso ver primeiro até onde a quarentena italiana irá se desenrolar, podendo chegar até maio e perto de ser prorrogada nos próximos dias. Mas mesmo assim, espera-se de forma que se consiga terminar a temporada 2019–20, e planejar a temporada 2020–21 de forma que se consiga realizar a tão sonhada Eurocopa itinerante, ainda com abertura em Roma.

Venha fazer parte do Footure Club e recebe conteúdos exclusivos

Neste momento, haveriam grandes possibilidades para o que fazer com o campeonato. Vamos analisar as possíveis hipóteses, com prós e contras para cada situação discutida nas atuais situações que são faladas nas reuniões por vídeoconferência nos últimos dias.

Hipótese: Fim da temporada 2019–20 sem campeão e rebaixados

PRÓS: Poderia não ser justo definir um campeão com uma distância tão curta entre os líderes, tendo em vista que ainda faltaria o confronto direto entre Juventus e Lazio, por exemplo. Na luta pela vaga na Champions e Europa League, ainda faltariam duelos diretos importantes, e na luta contra o rebaixamento, o Lecce, que nesse momento está atrás do Genoa apenas no saldo de gols, sairia fortemente prejudicado.

Neste caso da luta na parte de baixo da tabela, a anulação do rebaixamento sairia justa para quem não teria a chance de se recuperar em confrontos diretos, e que uma luta como essa sendo decidida no saldo de gols e sem todos os jogos poderia ser mais injusta.

CONTRAS: Uma liga sem campeão poderia fazer a Lazio, de Claudio Lotito, um homem tão forte na liga quanto o juventino Andrea Agnelli, chiar fortemente. E quanto aos rebaixamentos, alguns esfregam as mãos para se beneficiar da incompetência em campo, como seria o caso dos desesperados, mas fora da zona, Genoa e Sampdoria, ou de outros com dirigentes fortes, como Brescia, Lecce e Spal.

Neste caso, Em um calendário com uma Eurocopa, um campeonato de 42 rodadas e 22 clubes, já que neste contexto subiriam dois, seria praticamente inviável para a classificação. Além disso, simplesmente a anulação da temporada seria um duro golpe em algumas equipes, como a própria Lazio, que poderia ser prejudicada não apenas na frente da luta pelo título, como na luta pela Champions League. 

Hipótese: Terminar a temporada 2019–20 como está, com campeão e rebaixados

PRÓS: Tentaria se resolver de um modo mais esportivo o possível para a questão, valorizando o esforço dos primeiros colocados, e tentando resolver do modo mais realista possível um campeonato que já não terá festa de campeão de todo modo, e assim poder resolver o campeão para a futura edição da Champions League, assim como as vagas europeias, e poderia fazer a troca dos rebaixados (Lecce, Spal e Brescia) pelos ascendentes (Benevento, Crotone e Frosinone). 

CONTRAS: Entra no mesmo fato dos prós do fim da temporada sem campeão e rebaixados. Se no lado do campeão já seria injusto seja com a Inter, com jogo a menos, seja com a Lazio, a 1 ponto e com um confronto direto contra a Juventus, imagine na zona de rebaixamento com uma situação em que o Lecce, tendo confrontos diretos por jogar, cairia sem fazê-los e ainda sendo rebaixado. Além disso, faltando 12 rodadas, falta 40% do campeonato para ser jogado. 

Hipótese: Temporada 2019–20 seria terminada através de mata-matas para definir campeão, vagas europeias e rebaixados

PRÓS: Seria uma tentativa de se resolver em campo a temporada. Em caso de playoffs apenas para o Scudetto, um final four é possível. Se quiser definir as vagas para a Europa, se pode usar o modelo clássico de mata-matas dos esportes americanos, e das ligas nas Américas, atualmente em vigor apenas em México e Colômbia, e que no passado foram famosos em Chile e Brasil, com oito classificados, o que poderia fazer com que dos quatro confrontos, já se definissem os classificados para a Champions League.

Esportivamente poderia ser a salvação até mesmo para a televisão, que teria grandes audiências e poderia recuperar um pouco de um eventual prejuízo em cotas pagas aos clubes.

CONTRAS: É sagrado para os europeus, não apenas os italianos, o campeonato sem mata-matas. Quando se cogitou o fato da Atalanta participar de um final four, se lembra que a distância dos bergamascos para a Juve é maior que a distância para o Verona, sétimo colocado. Além disso, poderia ser um problema em termos de televisão para times como o Sassuolo e o Cagliari, que em caso de campeonato encerrado, passaria longe da vaga para os mata-matas, e passaria longe de ter que disputar um playout, ou mesmo um torneio da morte para definir os rebaixados, e passam ainda mais longe de chances de Scudetto e Europa.

Nesta questão de televisão, embora o mata-mata pudesse dar audiência e diminuir o prejuízo, a TV, que pagou por 38 partidas, talvez pedisse uma redução para hipotéticos 32 jogos para os finalistas da competição, considerando que estes teriam suas cotas reduzidas.

OUTRAS QUESTÕES NA SÉRIE A

Algumas outras questões permeiam a temporada. Primeiro, a questão da Serie B. Se cancelado o rebaixamento, quantos subirão? Por ora, Gabriele Gravina, presidente da FIGC, negou uma Serie A com 22 clubes, o que seria inviável em termos de calendário pensando em 2020–21 (ou mesmo 2021 em ano solar, não podemos descartar que o calendário europeu se adeque a isso).

Pensando na atual edição da Serie B, a única unanimidade seria o acesso do Benevento, pela grande campanha que tem feito. Mas como fazer faltando 12 rodadas e uma distância de 9 pontos entre o vice-líder Crotone e o nono colocado Empoli, e um bolo enorme na luta pela segunda vaga? E os playoffs da B? 

Além disso, a questão da Coppa Italia: como fazer as três partidas restantes? Fazer um Final Four em campo neutro, como cogitado? Cancelar a Coppa Italia, o que no país não houve precedentes, mas há precedentes em locais próximos, como a França? 

Série A
O Napoli não tem vaga garantida na próxima UCL e sua atual posição no campeonato não indicaria isso. E agora?

Um x da questão: como definir as vagas na Champions League? Até porque, é um problema que acontecerá além do Napoli na Itália, com o Atlético de Madrid na Espanha, e com o Lyon na França, de clubes que estão vivos no mata-mata europeu, mas que poderiam ficar fora da próxima competição por não estar entre os classificados pelas ligas locais (e que poderia abranger o Tottenham na Inglaterra também).

A Champions League e a Europa League, a partir daí, teriam três hipóteses em caso de não-conclusão do campeonato. Uma, seria classificar através da média do coeficiente UEFA. Outra, seria classificar de acordo com a classificação na atual edição. E a terceira, classificar em base nos competidores italianos da temporada 2019–20 em campos europeus.

Mas cada uma dessas situações gera um problema. Classificar por competições europeias de 2019–20, deixaria a Lazio, na briga pelo título, de fora da Champions, embora a fizesse jogar pelo menos a Europa League, e poderia fazer o Torino, longe da briga no campo nessa temporada, ter uma vaga na Europa que hoje seria do Verona.

Em caso de se manter a classificação, quem poderia chiar seriam Roma, Napoli, Verona e Milan, com chances matemáticas, embora curtas de se alcançar a Atalanta, já que Juventus, Inter e Lazio estariam mais bem encaminhados. E neste caso, o Milan poderia chiar em dobro, afinal, seria uma chance hipotética 

E em caso de classificação pelo coeficiente, geraria um outro problema com Lazio e Inter ficando fora da competição, tendo os interistas apenas 500 pontos a menos que a Atalanta na classificação geral do coeficiente, e que daria vantagem na briga para Roma e Napoli. 

O futuro do campeonato deve ser definido (ou não) em uma reunião no dia 3 de abril em videoconferência. Por ora, o ministro do Esporte italiano, Simone Spadafora, proibiu partidas até o dia 30 de abril no país, o que facilmente será cumprido. 

Por ora, as ideias principais estão em tentar continuar o campeonato, e deixando de lado a ideia de uma próxima liga com 22 equipes e de um hipotético mata-mata para a definição da temporada 2019–20. Mas não se sabe até onde esse ponto pode ser abandonado ou não, a depender da evolução da pandemia.

Após todas as oportunidades analisadas, por fim, é uma situação extraordinária, em que certamente alguém terá de ceder seus interesses para que a competição termine. Se é que poderá ser concluída. Mas certamente, em meio a pandemia global, e o combate ao coronavírus, esta não deverá ser a grande preocupação do mundo no momento. 

Compartilhe

Comente!

Tem algo a dizer?

Últimas Postagens

O caminho da Seleção, as mudanças de Tite e um norte para o Catar
Aurelio Solano

O caminho da Seleção, as mudanças de Tite e um norte para o Catar

0 Comentários
Cinco promessas africanas na base de clubes europeus
Caio Nascimento

Cinco promessas africanas na base de clubes europeus

0 Comentários
Pellegrini: a história dos romanos na Roma continua
Caio Bitencourt

Pellegrini: a história dos romanos na Roma continua

0 Comentários
A afirmação da Espanha e sua nova geração
Bruna Mendes

A afirmação da Espanha e sua nova geração

0 Comentários
Guto Ferreira coloca o Bahia para acelerar
Gabriel de Assis

Guto Ferreira coloca o Bahia para acelerar

0 Comentários
RAIO-X: De onde saem as assistências dos líderes do quesito na Série B
Douglas Batista

RAIO-X: De onde saem as assistências dos líderes do quesito na Série B

0 Comentários
Os destaques dos 8 classificados no Brasileirão Sub-20
Caio Nascimento

Os destaques dos 8 classificados no Brasileirão Sub-20

0 Comentários
A reinvenção de Brahim Diaz no meio-campo do Milan
Caio Bitencourt

A reinvenção de Brahim Diaz no meio-campo do Milan

0 Comentários
Maduro, o Red Bull Bragantino se aproxima de fazer história
Gabriel de Assis

Maduro, o Red Bull Bragantino se aproxima de fazer história

0 Comentários
Friendly #7 | O novo rico Newcastle, Sports Washing e a ‘era’ de clube-estado
Eduardo Dias

Friendly #7 | O novo rico Newcastle, Sports Washing e a 'era' de clube-estado

0 Comentários
Napoli: O impacto inicial de Anguissa com a camisa partenopei
Caio Bitencourt

Napoli: O impacto inicial de Anguissa com a camisa partenopei

0 Comentários
O Grande Norte e os grandes desafios: o que o futuro reserva para o futebol masculino do Canadá?
Caio Nascimento

O Grande Norte e os grandes desafios: o que o futuro reserva para o futebol masculino do Canadá?

0 Comentários
O agressivo América/MG de Vagner Mancini
Gabriel de Assis

O agressivo América/MG de Vagner Mancini

0 Comentários
O Botafogo/PB em busca de um acesso histórico na Paraíba
Douglas Batista

O Botafogo/PB em busca de um acesso histórico na Paraíba

0 Comentários
A disparidade entre Atlético de Madrid e Barcelona
Bruna Mendes

A disparidade entre Atlético de Madrid e Barcelona

0 Comentários