O Liverpool foi o Liverpool e o Arsenal foi o Arsenal - no bom sentido

O jogo pela terceira rodada da Premier League teve um desenrolar natural e demonstra o estágio de cada equipe

A rodada da Premier League mais uma vez foi recheada de ótimos jogos e narrativas, mas naturalmente os maiores holofotes estavam em Anfield Road. Liverpool e Arsenal se enfrentaram nesta segunda-feira (28) e fizeram, basicamente, o esperado. O time a ser batido da Inglaterra foi soberano nas ações e deu uma nova amostra de que está em um patamar diferenciado, enquanto os comandados de Mikel Arteta tiveram uma boa estratégia – mas esbarraram na falta de qualidade. Aproveito para começar pelos Gunners.


Quando falávamos da equipe de Londres há pouco mais de um ano, principalmente quando chefiados por Unai Emery, o “Arsenal ser o Arsenal” não era um bom sinal. Já estávamos acostumados com um conjunto que não sabia exatamente sua real intenção – dentro e fora de campo – e nos entregava partidas chamativas apenas pelos motivos ruins. O clima ao redor da instituição passava longe de ser animador.

A troca de treinador, porém, foi determinante para que o cenário se alterasse e a expectativa agora seja de sempre ver um desempenho competitivo, ao menos do ponto de vista da tentativa – até porque o resultado nunca é garantido, apesar de estar aparecendo com mais frequência. O psicológico foi reforçado e o plano tático costuma estar sempre alinhado com a realidade do confronto e os pontos fortes dos seus jogadores. 

(Foto: Reprodução/The 42)

Ontem, ficou clara a instrução em usar a ótima – e cada vez mais automatizada – saída de bola para escapar da pressão alta dos anfitriões e abusar dos lançamentos em profundidade, explorando a linha alta implantada por Jurgen Klopp. E, partindo dessa noção, não podemos dizer que a ideia fracassou. O gol de Lacazette saiu de tal forma e o francês ainda teve chances bastante claras, mas simplesmente não tem a qualidade existente nos artilheiros do adversário.

No geral, cada um definiu os caminhos que lhes convêm, mas o atual campeão cometeu pouquíssimos erros e muitos acertos e o atual oitavo colocado (19/20) cometeu diversos erros e poucos acertos em momentos decisivos. Totalmente natural. A distância na tabela da última temporada foi de sete posições e 43 pontos e não é difícil entender o porquê. 

A chave da questão é que os Gunners vão ganhando maturidade com o passar do tempo e exibições como essa não devem ser vistas sob um olhar negativo. A evolução é gradual e passa pela melhoria do elenco, além de que do outro lado estava uma verdadeira máquina. 

Exaltar o tamanho desse Liverpool por aqui é chover no molhado. Mas não há outro jeito de visualizar e relatar os fatos. Estamos falando de um dos esquadrões históricos da competição e capaz de repetir um nível excepcional semana após semana. Repetindo uma tecla batida diversas vezes: é domínio técnico, tático, físico e psicológico. Esse time já era bom há algumas campanhas, mas também foi se desenvolvendo com a maturação do projeto, dos atletas e do treinador.

São nesses clássicos que um aspecto crucial para o sucesso do clube fica ainda mais evidente. Klopp já superou – consideravelmente – a fase de ser um devoto cego pelo ‘futebol rock n’ roll’, como ficou conhecido na época de Borussia Dortmund e no início na Inglaterra. Sua equipe ainda é marcada por características como a intensidade, verticalidade, pressão alta e agressividade, mas sabe perfeitamente a hora de esfriar o jogo, administrar o ritmo e deixar o oponente sofrer contra o relógio.

A sensação é de que estão com o controle nas mãos e decidem o desenrolar das coisas por conta própria. Quem está do outro lado é um mero convidado a dançar conforme o gênero escolhido por Mané e companhia. Pode ser o rock n’ roll – é até a preferência da casa -, mas o jazz também é muito bem vindo. A orquestra é de primeira linha e não deve parar de tocar. E vencer. 

Para o Arsenal, fica o aprendizado.

Compartilhe

Comente!

Tem algo a dizer?

Últimas Postagens

Cinco promessas africanas na base de clubes europeus
Caio Nascimento

Cinco promessas africanas na base de clubes europeus

0 Comentários
Pellegrini: a história dos romanos na Roma continua
Caio Bitencourt

Pellegrini: a história dos romanos na Roma continua

0 Comentários
A afirmação da Espanha e sua nova geração
Bruna Mendes

A afirmação da Espanha e sua nova geração

0 Comentários
Guto Ferreira coloca o Bahia para acelerar
Gabriel de Assis

Guto Ferreira coloca o Bahia para acelerar

0 Comentários
RAIO-X: De onde saem as assistências dos líderes do quesito na Série B
Douglas Batista

RAIO-X: De onde saem as assistências dos líderes do quesito na Série B

0 Comentários
Os destaques dos 8 classificados no Brasileirão Sub-20
Caio Nascimento

Os destaques dos 8 classificados no Brasileirão Sub-20

0 Comentários
A reinvenção de Brahim Diaz no meio-campo do Milan
Caio Bitencourt

A reinvenção de Brahim Diaz no meio-campo do Milan

0 Comentários
Maduro, o Red Bull Bragantino se aproxima de fazer história
Gabriel de Assis

Maduro, o Red Bull Bragantino se aproxima de fazer história

0 Comentários
Friendly #7 | O novo rico Newcastle, Sports Washing e a ‘era’ de clube-estado
Eduardo Dias

Friendly #7 | O novo rico Newcastle, Sports Washing e a 'era' de clube-estado

0 Comentários
Napoli: O impacto inicial de Anguissa com a camisa partenopei
Caio Bitencourt

Napoli: O impacto inicial de Anguissa com a camisa partenopei

0 Comentários
O Grande Norte e os grandes desafios: o que o futuro reserva para o futebol masculino do Canadá?
Caio Nascimento

O Grande Norte e os grandes desafios: o que o futuro reserva para o futebol masculino do Canadá?

0 Comentários
O agressivo América/MG de Vagner Mancini
Gabriel de Assis

O agressivo América/MG de Vagner Mancini

0 Comentários
O Botafogo/PB em busca de um acesso histórico na Paraíba
Douglas Batista

O Botafogo/PB em busca de um acesso histórico na Paraíba

0 Comentários
A disparidade entre Atlético de Madrid e Barcelona
Bruna Mendes

A disparidade entre Atlético de Madrid e Barcelona

0 Comentários
Tuchel, Solskjaer, tropeços e realidades diferentes
Lucas Filus

Tuchel, Solskjaer, tropeços e realidades diferentes

0 Comentários