O moneyball do RB Leipzig

Mesmo perdendo seu principal jogador, Julian Nagelsmann conseguiu contornar isso e deixar seu RB Leipzig mais sólido.

Perder uma estrela é sempre difícil para um clube de futebol, ainda mais quando esse jogador em questão fez impressionantes 34 gols e 13 assistências em 45 jogos, mais de uma participação direta em gol por jogo em média. Mesmo assim, Julian Nagelsmann, apenas na sua segunda temporada como treinador do RB Leipzig, conseguiu suprir muito bem a ausência de Timo Werner.

O atacante alemão na temporada 19/20 foi de longe o principal destaque do Leipzig, sua produção e suas atuações o consolidaram como um jogador world-class, ajudando a equipe alemã a chegar nas semis da Champions League (acabou não jogando na bolha de Lisboa mas foi importante nas fases anteriores) e terminar em 3º na Bundesliga, para no final da temporada render uma transferência ao Chelsea por £53 milhões. 

O modelo de jogo da equipe era muito construído em cima da versatilidade e genialidade do atacante alemão, se no início de sua carreira era um 2º segundo atacante de bom posicionamento e leitura de espaços produzidos por um atacante mais pivô (Poulsen), com Nagelsmann virou um canivete suíço capaz de atuar em diferentes posições e diferentes funções. Chegou a fazer jogos como 9 centralizado, falso 9, ponta-esquerda, ponta-direita e meia-atacante, sempre em alto nível e produzindo gols para o time de Leipzig.  

É difícil encontrar um jogador capaz de produzir 47 G/A em uma temporada, e o Leipzig foi modesto no mercado de verão apesar de ter recebido uma excelente quantia pelo atacante alemão. Sua reposição foi o bom atacante sul-coreano Hee-chan Hwang, vindo da filial RB Salzburg por 9 milhões de euros, porém pouco atuou nesta temporada, apenas 14 jogos (407 minutos), 2 gols e 1 assistência. 

Anuncio oficial do Hee-chan Hwang pelo RB Leipzig

A solução de Nagelsmann para suprir essa ausência de gols foi similar a de Billy Beane, antigo GM da franquia de baseball Oakland Athletics, que consistia em distribuir a produção do atleta que deixou o clube para o restante do time, no caso do Leipzig, fazer com que vários jogadores marquem esses gols. 

(todos os 65 gols do Leipzig na temporada, distribuídos entre 16 atletas)

Isso se deve muito ao excelente trabalho de Julian na construção de um modelo de jogo, sempre com uma organização ofensiva padrão que permite uma melhor assimilação dos atletas ao que se deve fazer em campo, sem perder a essência dos times da RedBull. Nagelsmann é um típico treinador da escola alemã, gosta que seus times pressionem muito para recuperar a posse no ⅓ ofensivo e atacar com a defesa rival desorganizada. 


Sua estrutura padrão é o 3-1-4-2, fazendo a saída de bola e a iniciação ofensiva em 3+1 com o auxílio desse primeiro volante, enquanto os alas alargam o campo dando amplitude, os interiores se posicionam na linha dos alas para os ativarem nas costas da marcação, além de tentar fixar e atrair o rival para gerar espaços no meio. A dupla de ataque normalmente consiste em um atacante que fixa a última linha rival e abre espaço para o meia-atacante receber nas costas dos volantes. 

Gosta de sair curto e pelo chão até para deslocar o adversário e quebrar os encaixes individuais (muito comum na Bundesliga), porém utiliza e muito o físico dos centroavantes (Poulsen e Sorloth) para baixarem bolas longas, ou da velocidade de jogadores como Nkunku e Angeliño para atacar equipes que marcam em um bloco mais alto. É apenas o 5º melhor ataque da Bundesliga com 43 gols em 23 jogos, porém a 2º equipe que mais finaliza e a 3º que mais finaliza a gol, e explica o fato do péssimo aproveitamento nas finalizações (35,2%) e apenas 0,10 gols/chutes. 

Nas bolas paradas tem um repertório bastante limitado até, confiam bastante nos bons batedores (Nkunku, Angeliño e Fosberg) e nos bons cabeceadores (Upamecano, Klostermann, Konate, Poulsen e Orban), foram apenas 3 gols originados de faltas laterais e escanteios na temporada, 5º pior marca da liga.

(fonte: fbref.com)

Defensivamente, é onde mais se nota a genialidade de Julian. Sempre varia sua estrutura defensiva de acordo com o adversário, sem afetar a construção e mantendo a eficiência nos dois lados da bola. Pressiona muito desde a saída de bola adversário, tentando orientar o rival para uma das laterais e criando superioridade para que: ou o adversário se desfaça da bola ou consiga a recuperação próxima do gol. 

vídeo – RB Leipzig marcação pressão

Num bloco mais baixo, a postura é a mesma, bastante encaixes setorizados visando proteger a entrada da área e limitando o adversário a cruzamentos, no qual os defensores da equipe são excelentes rebatendo pelo alto. Na Bundesliga, são a equipe que menos sofre finalizações a gol (57), a 2º que mais fez desarmes no meio-campo, a 1º em pressões bem sucedidas (sendo a 2º em pressões no meio-campo e no ⅓ ofensivo). Números que ajudam a explicar os 20 gols tomados em 23 rodadas na liga, que os tornam a 2º melhor defesa da competição.

O epicentro desse sistema, é o meio-campista austriaco Marcel Sabitzer. No clube desde a temporada 15/16, é um dos poucos jogadores que participou da campanha na 2º divisão, na qual rendeu o acesso a Bundesliga. Com outros técnicos, era um dos meias abertos no tradicional 4222 (popular 442 quadrado), porém desde a chegada de Nagelsmann foi recuado no terreno e só evoluiu.

Marcel Sabitzer - Perfil de jogador 20/21 | Transfermarkt
Marcel Sabitzer

Jogador de excelente visão de jogo e passe refinado, atua como um dos interiores no losango do meio-campo, sabe se posicionar muito bem nas costas dos rivais, atacar os espaços e pisa muito na área. Tem um ótimo controle orientado que facilita na quebra de encaixes e o permite receber de frente e atacar a linha defensiva de frente. Defensivamente é muito produtivo, tem boa noção para fechar linhas de passe e pressiona bem os adversários. Na temporada são 6 gols e 5 assistências em 28 jogos

Quem acabou “substituindo” Timo Werner no papel de criador, foi o espanhol Dani Olmo. Chegou ao clube na janela de inverno da temporada 19/20 por 22 milhões de euros, demorou um pouco para se adaptar mas vem demonstrando o porquê de ter sido um dos jogadores mais aliciados nas últimas temporadas do futebol europeu. Atuando como um 10 atrás do atacante ou como um interior, é o jogador que mais recebe liberdade para se movimentar e gerar linhas de passe.

Dani Olmo: "Barça was postponing my signing for one reason or another"
Dani Olmo

Tem excelente controle de bola, tanto no primeiro toque quanto conduzindo, passe refinado, boa visão de jogo, solução em espaços curtos e uma ótima tomada de decisão. Busca jogo o tempo todo e pisa bastante na área para finalizar (1,7 chutes/jogo), tem 4 gols e 9 assistências na temporada, além de uma média de 2,0 key pass/jogo. Defendendo é bastante voluntarioso, atua bem no encaixe porém não tem muita noção fechando opções de passe, sobretudo quando atua na 2º linha de marcação, é o jogador que mais pressiona e tem sucesso nesse quesito dentro do elenco.

Já o “substituto” dos gols, é outro espanhol, o ala-esquerdo Angeliño. Emprestado pelo Manchester City até o final dessa temporada, o RB não perdeu tempo e já ativou a opção de compra do atleta. Vem sendo muito potencializado pelo sistema de Nagelsmann, jogador de muita velocidade que apesar dos membros inferiores curtos, consegue atingir rapidamente e mantê-la por uma boa distância.

RB Leipzig vai desembolsar 20 milhões de euros pela compra definitiva de  Angeliño – Mercado do Futebol
Angeliño

Possui boa tomada de decisão, finaliza bem de média distância, além de ser um criador nato pela banda esquerda, soma 9 assistências na temporada e é o 4º jogador com mais key pass na Bundesliga (47), além de 8 gols somando todas as competições. Defendendo é muito bom no encaixe, tem uma boa noção para sustentar a linha defensiva quando necessário, além de boa interpretação na hora de afunilar e orientar a pressão para o lado direito. 

Fique de olho

O projeto Red Bull é conhecido pelo recrutamento e lapidação de jovens, não à toa o Leipzig é lotado de jogadores U25. Em meio a tantos talentos, um jovem que vem chamando a atenção é o meia-atacante sérvio/alemão Lazar Samardzic (02). Destaque da base do Hertha Berlin, no qual anotou impressionantes 26 G/A em 15 jogos pelo time U17 e 23 G/A pelo U19, chegou a entrar em 3 jogos na Bundesliga 19/20 somando 32’ em campo. Foi vendido aos touros por menos de €500k pois se aproximava do fim do contrato. Fez apenas 7 jogos nesta temporada (224’), sendo 2 como titular e contribuiu com uma assistência (vs Arminia).

Lazar Samardzic em seu anuncio oficial

Jogador de ótima estatura (1,84m), bom biótipo, longilíneo, possui muita força para sustentar o toque mesmo com a pouca idade. É muito refinado tecnicamente, tem bom primeiro toque, coordenação com a bola em posse, troca de direção com facilidade, consegue jogar pressionado, bom controle orientado e um repertório grande de dribles para jogar em espaços reduzidos. Seu passe é excelente, facilidade para colocar a bola entre as linhas e no ponto futuro para os colegas de equipe, porém acaba só utilizando um pé para executar as ações (canhoto).

Mentalmente parece um atleta diferenciado, joga sempre concentrado independente da minutagem, se começa de titular ou entra aos 42’ do 2ºT está sempre em rotação alta. Acaba pecando no offball ofensivo, às vezes quer tanto ficar livre que acaba se distanciando do jogo, é algo a melhorar. Muito voluntarioso defensivamente, boa noção para fechar linhas de passe e jogar no encaixe, pode ser um substituto a médio/curto prazo de Marcel Sabitzer. 

RB Leipzig se tornou um time muito completo, com repertório grande para atacar o rival independente da abordagem defensiva do mesmo, bem como adaptar a defesa para anular o ataque oponente. A saída de Timo Werner causou uma evidente queda de desempenho ofensivo, porém o bom coletivo foi capaz de minimizar isso, além da notável melhora defensiva. 

(Fonte: Understat – números apenas na Bundesliga)

Na Champions League, perdeu a ida das oitavas-de-final (em casa apesar do campo neutro) por 2×0 para o Liverpool, um jogo decidido nos erros individuais da equipe alemã que jogou muito bem e o placar não refletiu a atuação de ambas as equipes. Na DFB Pokal, permanece vivo nas semis após eliminar o Wolfsburg nas quartas e é uma possibilidade real de título, algo de grande importância até porque seria o 1º troféu do clube alemão e do jovem treinador.

O desempenho e a consistência obtidas nessa temporada, tornam o time de Leipzig um concorrente direto com o gigante alemão Bayern Munchen, que hoje ocupa a liderança da Bundesliga com 52 pontos, 2 a mais que os touros vermelhos. No início da temporada, eram apontados como o provável 3º colocado, e com uma distância muito grande para o time da Baviera. 

(fonte: fivethirtyeight)

Chegaram a assumir a liderança na primeira rodada de 2021, porém tiveram uma sequência com 1 vitória, 1 empate e 2 derrotas nos jogos posteriores, e competindo contra um rival do nível do Bayern a margem de erro fica mínima.  A provável queda na Champions League pode acabar ajudando pois manteria o foco em apenas uma competição de grande porte. Vale a pena acompanhar essa disputa, além de apreciar um time que joga um dos melhores futebóis da Europa. 

Compartilhe

Comente!

Tem algo a dizer?

Davi Neto

Últimas Postagens

A onda tecnicista na função do auxiliar técnico de futebol
Jonatan Cavalcante

A onda tecnicista na função do auxiliar técnico de futebol

0 Comentários
Friendly #1 | Imaginar e construir o futuro, a habilidade fundamental do século XXI
Footure

Friendly #1 | Imaginar e construir o futuro, a habilidade fundamental do século XXI

0 Comentários
Surpresa e tradição: os classificados para as quartas do futebol masculino na Olimpíada
Caio Nascimento

Surpresa e tradição: os classificados para as quartas do futebol masculino na Olimpíada

0 Comentários
Osimhen, Simy, e a problemática das narrativas sobre jogadores africanos
Caio Bitencourt

Osimhen, Simy, e a problemática das narrativas sobre jogadores africanos

0 Comentários
O que esperar do Real Madrid para os próximos anos com Carlo Ancelotti?
Bruna Mendes

O que esperar do Real Madrid para os próximos anos com Carlo Ancelotti?

0 Comentários
O que explica as goleadas do Flamengo com Renato Gaúcho?
Gabriel de Assis

O que explica as goleadas do Flamengo com Renato Gaúcho?

0 Comentários
Como o Vojvodismo transformou o Fortaleza em protagonista no futebol brasileiro?
Jonatan Cavalcante

Como o Vojvodismo transformou o Fortaleza em protagonista no futebol brasileiro?

0 Comentários
God Save the Game #34 | A janela de transferências da Premier League 21/22
Gabriel Corrêa

God Save the Game #34 | A janela de transferências da Premier League 21/22

0 Comentários
Felipão chega entregando o de sempre: segurança e resultado
Gabriel de Assis

Felipão chega entregando o de sempre: segurança e resultado

0 Comentários
Guia do futebol masculino na Olimpíada de Tokyo 2020: parte 2
Caio Nascimento

Guia do futebol masculino na Olimpíada de Tokyo 2020: parte 2

0 Comentários
A Itália ainda pode crescer após o título da Euro?
Caio Bitencourt

A Itália ainda pode crescer após o título da Euro?

0 Comentários
Guia do futebol masculino na Olimpíada de Tokyo 2020: parte 1
Caio Nascimento

Guia do futebol masculino na Olimpíada de Tokyo 2020: parte 1

0 Comentários
O complicado início de Diego Aguirre no Internacional
Gabriel de Assis

O complicado início de Diego Aguirre no Internacional

0 Comentários
Rodrigo De Paul: o meia com DNA de Simeone e Atlético de Madrid
Bruna Mendes

Rodrigo De Paul: o meia com DNA de Simeone e Atlético de Madrid

0 Comentários
A Inglaterra superou seus traumas e, agora, se permite sonhar
Lucas Filus

A Inglaterra superou seus traumas e, agora, se permite sonhar

0 Comentários