Tottenham 1 x 1 United: um jogo de perspectivas diferentes

Ninguém saiu com o resultado que queria, mas um time se distanciou dos seus objetivos e o outro tem motivos para se animar.

Depois de quase 100 dias sem jogos, a Premier League voltou. Sem torcida, sem o clima que estamos acostumados a ver e com alguns atletas ainda ‘enferrujados’, o cenário certamente é diferente. Mas continua nos entregando boas partidas, como Tottenham 1 x 1 United nesta sexta-feira. O encontro de Mourinho com seu ex-clube já era visto como o principal evento da 28ª rodada e, de fato, correspondeu às expectativas.

Faça parte do Footure Club e receba conteúdos exclusivos diariamente

Até porque falamos das duas equipes que mais se beneficiaram da parada – se é que podemos dizer assim -, considerando o retorno de lesão de peças-chave. Dentro de campo, alguns desses jogadores foram fundamentais. Separei dois tópicos, um de cada time, para dissecar aqui na coluna. 

1. O Tottenham precisa fazer mais 

Os donos da casa não tiveram um desempenho exatamente ruim. Alguns aspectos foram positivos e, por certo tempo, conseguiram demonstrar um nível de competitividade que vinha faltando nos últimos meses. Mesmo assim, se colocarmos tudo na balança percebemos que foram muito mais minutos de pouca inspiração.

(Foto: Sky Sports)

Quando os visitantes acertavam os passes vindo de trás e tinham uma mínima presença nas entrelinhas, conseguiam se aproximar do gol com facilidade e não por acaso Hugo Lloris foi o melhor em campo. E o acesso às zonas ofensivas foi extremamente limitado, com o gol sendo um lance isolado e De Gea praticamente não trabalhando – nem perto disso. 

A ausência de Dele Alli, alvo de bolas diretas e ótimo parceiro para os pivôs de Harry Kane, pesou. Mas os spurs demonstram um baixo aproveitamento do material humano que têm e não podem se contentar com performances como a de ontem. Para brigar por Champions League, não só nessa temporada, precisam evoluir bastante.

2. A promisora dupla do Manchester United

Por boa parte desta campanha, ainda quando os comandados de Ole Gunnar Solskjaer colecionavam tropeços preocupantes, ficava a impressão de que faltava qualidade de primeiro nível para as atuações se transformarem em pontos. Por contusões ou pelo estado natural do elenco, peças de qualidade duvidosa como Jesse Lingard e Andreas Pereira tiveram mais minutos do que de fato deveriam e isso fazia a diferença na hora de furar alguma defesa bem postada.

Em janeiro, nos pés de Bruno Fernandes surgiu um grande indicativo de que essa tese era correta. Contratado junto ao Sporting, o português ainda não perdeu com a camisa vermelha e vem fazendo justamente o que o inglês e o brasileiro não faziam, armar com eficiência. E havia se criado uma enorme expectativa para vê-lo ao lado de Paul Pogba, que estava no departamento médico.

Tottenham 1 x 1 United
Nenhum dos times saiu com o resultado que gostaria, mas um se distanciou dos seus objetivos e o outro tem motivos para se animar (Foto: Manchester Evening News)

A amostra oferecida em Londres, apesar de ainda ser curta, foi suficiente para empolgar a torcida. O francês entrou no segundo tempo e mudou completamente o ritmo da partida, sendo uma presença gigantesca na criação e carregando seus companheiros para frente. O empate saiu após uma jogada individual maravilhosa diante de Eric Dier.

Mostrou sinais de entrosamento com o português e fez o United ter seus melhores momentos, progredindo no campo com facilidade e quebrando as linhas do adversário de diversas maneiras. Lançamento, drible e condução habilidosa e potente.

Enquanto Bruno continua impressionando com seu passe aguçado, visão e capacidade de tirar coelhos da cartola em diferentes situações. Além da ameaça constante de finalizações de média\longa distância ou infiltrações inteligentes na área. Após um primeiro turno inconstante e a necessidade visível de talentos superiores, a realidade no lado vermelho de Manchester pode ter um upgrade considerável. 


Agora, o Tottenham se mantém distante das vagas europeias e precisa ganhar os próximos jogos se ainda quiser surpreender. O United, por sua vez, vai secar Chelsea e companhia, mas continua colado no top 4 e demonstra condições de alcançar resultados positivos nessa reta final.

Compartilhe

Comente!

Tem algo a dizer?

Lucas Filus

Últimas Postagens

A onda tecnicista na função do auxiliar técnico de futebol
Jonatan Cavalcante

A onda tecnicista na função do auxiliar técnico de futebol

0 Comentários
Friendly #1 | Imaginar e construir o futuro, a habilidade fundamental do século XXI
Footure

Friendly #1 | Imaginar e construir o futuro, a habilidade fundamental do século XXI

0 Comentários
Surpresa e tradição: os classificados para as quartas do futebol masculino na Olimpíada
Caio Nascimento

Surpresa e tradição: os classificados para as quartas do futebol masculino na Olimpíada

0 Comentários
Osimhen, Simy, e a problemática das narrativas sobre jogadores africanos
Caio Bitencourt

Osimhen, Simy, e a problemática das narrativas sobre jogadores africanos

0 Comentários
O que esperar do Real Madrid para os próximos anos com Carlo Ancelotti?
Bruna Mendes

O que esperar do Real Madrid para os próximos anos com Carlo Ancelotti?

0 Comentários
O que explica as goleadas do Flamengo com Renato Gaúcho?
Gabriel de Assis

O que explica as goleadas do Flamengo com Renato Gaúcho?

0 Comentários
Como o Vojvodismo transformou o Fortaleza em protagonista no futebol brasileiro?
Jonatan Cavalcante

Como o Vojvodismo transformou o Fortaleza em protagonista no futebol brasileiro?

0 Comentários
God Save the Game #34 | A janela de transferências da Premier League 21/22
Gabriel Corrêa

God Save the Game #34 | A janela de transferências da Premier League 21/22

0 Comentários
Felipão chega entregando o de sempre: segurança e resultado
Gabriel de Assis

Felipão chega entregando o de sempre: segurança e resultado

0 Comentários
Guia do futebol masculino na Olimpíada de Tokyo 2020: parte 2
Caio Nascimento

Guia do futebol masculino na Olimpíada de Tokyo 2020: parte 2

0 Comentários
A Itália ainda pode crescer após o título da Euro?
Caio Bitencourt

A Itália ainda pode crescer após o título da Euro?

0 Comentários
Guia do futebol masculino na Olimpíada de Tokyo 2020: parte 1
Caio Nascimento

Guia do futebol masculino na Olimpíada de Tokyo 2020: parte 1

0 Comentários
O complicado início de Diego Aguirre no Internacional
Gabriel de Assis

O complicado início de Diego Aguirre no Internacional

0 Comentários
Rodrigo De Paul: o meia com DNA de Simeone e Atlético de Madrid
Bruna Mendes

Rodrigo De Paul: o meia com DNA de Simeone e Atlético de Madrid

0 Comentários
A Inglaterra superou seus traumas e, agora, se permite sonhar
Lucas Filus

A Inglaterra superou seus traumas e, agora, se permite sonhar

0 Comentários