Raúl Bobadilla e Abel Hernández: conheça os novos centroavantes do Fluminense

No pacotão de reforços visando a Libertadores da América, o Fluminense reforça o setor ofensivo com Abel Hernández e Raúl Bobadilla, centroavantes para brigar com Fred por uma vaga

Com a proximidade da Libertadores da América, o Fluminense buscou um pacotão de reforços visando a disputa da competição continental. Entre as contratações, duas chamara atenção: os centroavantes Raúl Bobadilla, do Guarani/PAR, e Abel Hernández, do Internacional.

Apesar da presença da presença de Fred, o centroavante de 37 anos que pensa em se aposentar ao final da temporada e acabou de chegar na marca de 400 gols na carreira, o Tricolor Carioca parece pensar nesta situação e reforçar o setor ofensivo.

A chegada destes dois jogadores traz características diferentes ao ataque e algumas possibilidades e, por isso, é preciso contextualizar que no Fluminense de Roger Machado, Fred está sendo um jogador para gerar apoios, recuar para receber o passe e atrair os zagueiros adversários para os extremas buscaram estes espaços e fazerem gols. Quando a equipe esta já atacando mais posicionalmente, está sempre no limite da linha para receber o passe ou cruzamento e finalizar. Agora, vamos falar sobre os dois novos centroavantes:

Um centroavante para atacar os espaços

Apesar de ser um 9, Raúl Bobadilla pode trazer algumas características diferentes do atual Fred. Com muita força física e explosão, no 4-4-2/4-2-3-1 recente do Guarani do Paraguai, ele tem sido um cara importante para atacar a última linha e receber estes passes para finalizar, como podemos perceber nos lances de gol abaixo:

Para jogos com mais espaço e menor necessidade de sustentar um jogo mais direto pelo alto, mas sim em velocidade, Bobadilla pode vir a ser uma alternativa interessante para Fred. Além disso, apesar de não ser do feitio de Roger atuar com dois homens de área, seria possível ter os dois atletas lado a lado para se impor fisicamente contra alguns adversários.

Por fim, e apesar de não ter atuado desta maneira nos últimos anos, não poderíamos descartar em algum momento específico do jogo Bobadilla partindo do lado direito ou esquerdo para atacar os espaços e o Fluminense ter mais um jogador na área adversária. Repito, me parece uma possibilidade remota, mas sempre devemos deixar em aberto ainda mais com o jogador já tendo atuado desta forma.

A parede uruguaia

A passagem de Abel Hernández no Internacional é dividida em dois momentos. Com o argentino Eduardo Coudet, formou dupla de ataque com Thiago Galhardo no 4-1-3-2 e servia como jogador para puxar a linha adversária em profundidade para o camisa 17 ficar na entrelinha, receber os passes longos da defesa e tentar fazer o pivô.

Após a chegada de Abel Braga, se tornou um “jogador escape” para jogos de maior dificuldade, necessidade de jogo aéreo e, também, para receber o passe e abrir as jogadas pelo lado do campo. No vídeo abaixo, podemos perceber a capacidade do jogador nestes pequenos apoios para dar continuidade ao lance e ajudar a equipe:

O uruguaio poderia ser uma forma de manter as características de Fred — talvez com um menor refino técnico —, mas com maior capacidade física até mesmo para buscar pressionar os zagueiros adversários em saída de bola, algo visto em alguns gols do Inter no Brasileirão 2020.


Os reforços ainda estão chegando no Fluminense — Cazares foi um dos confirmados, também — e outras dinâmicas podem ser acrescentadas na equipe de Roger Machado e iremos buscar entender os próximos passos da equipe ao longo da temporada.

Compartilhe

Comente!

Tem algo a dizer?

Gabriel Corrêa

Últimas Postagens

Atlético-MG vive seu melhor momento na temporada
Gabriel de Assis

Atlético-MG vive seu melhor momento na temporada

0 Comentários
A onda tecnicista na função do auxiliar técnico de futebol
Jonatan Cavalcante

A onda tecnicista na função do auxiliar técnico de futebol

0 Comentários
Friendly #1 | Imaginar e construir o futuro, a habilidade fundamental do século XXI
Footure

Friendly #1 | Imaginar e construir o futuro, a habilidade fundamental do século XXI

0 Comentários
Surpresa e tradição: os classificados para as quartas do futebol masculino na Olimpíada
Caio Nascimento

Surpresa e tradição: os classificados para as quartas do futebol masculino na Olimpíada

0 Comentários
Osimhen, Simy, e a problemática das narrativas sobre jogadores africanos
Caio Bitencourt

Osimhen, Simy, e a problemática das narrativas sobre jogadores africanos

0 Comentários
O que esperar do Real Madrid para os próximos anos com Carlo Ancelotti?
Bruna Mendes

O que esperar do Real Madrid para os próximos anos com Carlo Ancelotti?

0 Comentários
O que explica as goleadas do Flamengo com Renato Gaúcho?
Gabriel de Assis

O que explica as goleadas do Flamengo com Renato Gaúcho?

0 Comentários
Como o Vojvodismo transformou o Fortaleza em protagonista no futebol brasileiro?
Jonatan Cavalcante

Como o Vojvodismo transformou o Fortaleza em protagonista no futebol brasileiro?

0 Comentários
God Save the Game #34 | A janela de transferências da Premier League 21/22
Gabriel Corrêa

God Save the Game #34 | A janela de transferências da Premier League 21/22

0 Comentários
Felipão chega entregando o de sempre: segurança e resultado
Gabriel de Assis

Felipão chega entregando o de sempre: segurança e resultado

0 Comentários
Guia do futebol masculino na Olimpíada de Tokyo 2020: parte 2
Caio Nascimento

Guia do futebol masculino na Olimpíada de Tokyo 2020: parte 2

0 Comentários
A Itália ainda pode crescer após o título da Euro?
Caio Bitencourt

A Itália ainda pode crescer após o título da Euro?

0 Comentários
Guia do futebol masculino na Olimpíada de Tokyo 2020: parte 1
Caio Nascimento

Guia do futebol masculino na Olimpíada de Tokyo 2020: parte 1

0 Comentários
O complicado início de Diego Aguirre no Internacional
Gabriel de Assis

O complicado início de Diego Aguirre no Internacional

0 Comentários
Rodrigo De Paul: o meia com DNA de Simeone e Atlético de Madrid
Bruna Mendes

Rodrigo De Paul: o meia com DNA de Simeone e Atlético de Madrid

0 Comentários