Guia do Brasileirão 2020 - Vasco

O Campeonato Brasileiro 2020 está prestes a iniciar, por isso o Footure reuniu sua equipe e analisou as 20 equipes que disputam o torneio nesta temporada em parceria com as redes sociais do Brasileirao. Por ordem alfabética, o vigésimo dia do Guia tem foco no Vasco

O ano de 2020 começou mais uma vez maltratando os corações cruzmaltinos. O time fez péssima campanha no Estadual e jogou muito mal sob o comando de Abel Braga. Com a saída do experiente treinador, o clube resolveu apostar no ídolo Ramon Menezes dirigindo a equipe. Ramon fez história no Gigante da Colina ao conquistar muitos títulos no final da década de 90 em uma equipe memorável. Hoje os tempos são outros. O Vasco não tem o elenco de outrora, mas ao menos vê no comandante alguém interessado em produzir um time organizado e identificado com a camisa centenária que enverga.

Time-base do Vasco: Fernando Miguel; Pikachu, Ricardo Graça, Leandro Castán e Henrique; Andrey; Vinicius, Raul (Fellipe Bastos), Benitez e Talles Magno; German Cano

O ARTILHEIRO ARGENTINO E A FORÇA DA BASE

Não há muitas dúvidas sobre o jogador mais importante do Vasco em 2020. O que dizer de um atleta que marca 75% dos gols de uma equipe durante a temporada. Germán Cano é o comandante da linha de frente cruzmaltina e fez nove dos 12 tentos anotados pelo time em jogos oficiais até aqui. Ele é a referência no ataque e o homem das finalizações. Não costuma desperdiçar chances. No meio-campo, porém, um atleta surge como fundamental dentro das ideias que Ramon começa a desenvolver. Andrey é o distribuidor dos passes que iniciam os ataques e isso favorece as suas características.

O volante tem 22 anos e já não é tão inexperiente assim. Vai para o seu quarto Campeonato Brasileiro. Além dele, outros jovens revelados pelo clube têm lugar cativo no time titular, ao menos no início da competição. Talles Magno (18 anos) e Vinícius (19 anos) são os pontas do ataque de Ramon Menezes. O técnico Ricardo Graça (23 anos) forma a zaga titular ao lado de Leandro Castán. O elenco ainda abriga bons nomes como os zagueiros Ulisses e Miranda, o goleiro Jordi, o volante Bruno Gomes, os meias Lucas Santos e Gabriel Pec, e o atacante Kaio Magno, irmão do titular Talles. A base do Vasco segue produzindo bons jogadores.

COMO ATACA O VASCO

Ramon teve apenas dois jogos oficiais para comandar o time, mas fez outros jogos-treino e manteve a ideia apresentada inicialmente. Ele quer um time com posse e ocupação de espaços bem definida para ter uma circulação de bola eficaz. Prende Henrique junto aos zagueiros em uma ‘’saída de três’’ e libera Yago Pikachu para atacar por dentro, como um meia. Andrey é o primeiro homem de meio-campo e distribui as jogadas. Fellipe Bastos ou Raul, e Martin Benitez completam o miolo do campo. Vinícius e Talles Magno dão amplitude ao time e Cano é o centroavante.

A ideia é trabalhar a bola e buscar os lados do campo perto da área para causar desequilíbrios na linha defensiva adversária. É bem frequente as inversões a partir de Andrey para a individualidade de Vinícius e Talles Magno. O primeiro fica mais preso ao lado direito e tem Pikachu se aproximando constantemente para receber em profundidade ou tabelar. O segundo troca um pouco mais de posição com Benitez, e a dupla busca o melhor entrosamento pela esquerda.

COMO DEFENDE O VASCO

O Vasco precisa corrigir alguns problemas defensivos que vêm desde a época de Abel Braga no comando. O time oscila demais a intensidade da abordagem de marcação. Em uma equipe que tem como proposta marcar por zona, ter um comportamento passivo ao pressionar o adversário com a bola é muitas vezes letal. Cada jogador defende o seu espaço no gramado sem promover perseguições fora do setor. O time se posiciona no 4-1-4-1. Yago Pikachu fecha normalmente como lateral-direito, Andrey se posta à frente da defesa, Talles e Vinícius recompõem pelos lados. As transições também precisam de ajustes. O conceito de reagir rápido ao perder a bola não foi totalmente assimilado pelos atletas.

Andrey é um dos principais destaques do Vasco e peça-chave na saída de bola (Dados: WyScout)

UM TRABALHO AINDA COMEÇANDO

É um trabalho muito embrionário e que ainda não foi testado de forma veemente. É natural que tenha dificuldades no início, principalmente por se tratar de uma equipe com muitos jogadores em processo de maturação. O ambiente interno do clube é conturbado e a diretoria precisa do entendimento necessário para não interromper um processo que apenas se inicia. Este é o principal problema ao projetar a competição para o Vasco da Gama.


LEIA A ANÁLISE DOS OUTROS CLUBES

Athletico Paranaense; Atlético Goianiense; Atlético/MG; Bahia; Botafogo; Ceará; Corinthians; Coritiba; Flamengo, Fluminense; Fortaleza; Goiás; Grêmio; Internacional; Palmeiras; Red Bull Bragantino; São Paulo; Santos e Sport Recife

Compartilhe
Rodrigo Coutinho

Comente!

Tem algo a dizer?