Guia do Brasileirão 2020 - Ceará

O Campeonato Brasileiro 2020 está prestes a iniciar, por isso o Footure reuniu sua equipe e analisou as 20 equipes que disputam o torneio nesta temporada em parceria com as redes sociais do Brasileirao. Por ordem alfabética, o sexto dia do Guia tem foco no Ceará

A alta rotatividade no comando técnico do Ceará tem dificultado o desenvolvimento e consolidação de ideias de jogo. O trabalho realizado por Enderson Moreira era muito promissor e a decisão de interromper e aceitar o desafio no Cruzeiro, deixam perguntas que precisam ser respondidas por Guto Ferreira. O novo técnico irá dar continuidade ao que vinha sendo desenvolvido? Irá romper com o processo atual e implantará um novo? Tentará encontrar um equilíbrio entre o que acredita e o que estava sendo realizado?

E mesmo que de forma superficial, algumas dessas perguntas começam a ser respondidas por Guto Ferreira. Nos primeiros dois jogos no comando do Ceará, diante do Barbalha e Fortaleza, o treinador promoveu algumas mudanças idealizadas ou forçadas. Na defesa, ainda não pôde contar com Luiz Otávio em sua plenitude. Com isso, Tiago Pagnussat ganhou espaço ao lado de Eduardo Brock. Mas a titularidade de Luiz Otávio é inquestionável.

Provável time base do Ceará no Brasileirão 2020
Formação base: Fernando Prass, Samuel Xavier, Luiz Otávio, Pagnussat (Brock) e Bruno Pacheco; Ricardinho e Charles; Leandro Carvalho, Vina e Felipe Baixola (Lima); Rafael Sóbis.

Na trinca de jogadores que ficam por trás do centroavante mais mudanças. Leandro Carvalho está voltando aos poucos, após realizar uma cirurgia de apendicite. Dessa forma, o meia-articulador, Felipe Baixola, tem ocupado a vaga do camisa 80. No lado oposto, Fernando Sobral deu lugar ao meia-atacante Lima. Essa mudança passa por Guto acreditar que Fernando Sobral pode contribuir mais como segundo volante.

Com todos à disposição, Guto Ferreira deve realizar alguns ajustes de posicionamento para potencializar ao máximo os 11 titulares. Por isso, Felipe Baixola deve ser deslocado para a esquerda e disputar vaga com Lima. E à depender de quem for o companheiro de zaga de Luiz Otávio, o jogador deve se posicionar na esquerda, caso seja Tiago, ou manter-se na direita se a escolha for por Eduardo Brock.

MEIO-CAMPISTA AGRESSIVO E A JOVEM PROMESSA NO ATAQUE

Formado nas categorias de base do Internacional, Charles, é um volante bastante promissor no cenário nacional. Após de destacar pelo Sport, na Série B 2019, o jogador foi comprado pelo Vozão e tem mantido o bom desempenho.

A passada larga, resistência e agressividade são os propulsores de Charles na busca incessante pela recuperação da posse de bola. O volante tem sido peça chave na pressão pós-perda ao buscar roubar a bola ou ganhar tempo para que os demais jogadores realizem a recomposição. Marcando em seu próprio campo no 4-4-2, o Ceará utiliza bastante Charles para pressionar a saída de bola de pé em pé do adversário.

Na saída de bola, Charles também é importante dentro das ideias de Guto. O técnico reedita uma ideia de Argel Fucks para superar as linhas do adversário ao marcar com bloco alto. Dessa forma, o Ceará opta por um lançamento longo de Fernando Prass direcionado à Charles, para que vença o duelo pela 1º bola, dada a boa impulsão do volante.

Além de Charles, outro jogador, agora formado nas categorias de base do Ceará, tem se destacado e buscado o seu espaço: Rick. O atacante de 20 anos, tem entrado no decorrer do 2º tempo para desequilibrar o jogo através da velocidade e dos dribles. Rick é um atacante de lado que tem facilidade para atuar em ambos os lados. Ao ser exposto a cenários onde a equipe tenha espaço para contra-atacar ou realizar ataques rápidos consegue potencializar bem as suas características.

COMO ATACA O CEARÁ

A equipe comandada por Guto Ferreira, utiliza a plataforma de jogo 4-2-3-1 e suas variações (4-4-2 e 4-4-1-1) para que os jogadores tenham um norte de onde devem se posicionar em campo. O Vozão busca o equilíbrio entre tentar utilizar ataques rápidos com passes verticais para aproveitar alguma desestruturação defensiva do oponente e, um ataque mais elaborado com trocas de passes um pouco mais lateralizadas.

A maneira com que o Ceará constrói as jogadas sofreu sensíveis mudanças. Na saída de bola, além de utilizar 3 jogadores (os dois zagueiros e o lateral Samuel Xavier), Guto promoveu a inserção de Ricardinho nesse processo. Antes o meio-campista ficava mais na entrelinha – costas dos atacantes adversários – para receber a bola e tentar acelerar por dentro ou com passes diagonais para os corredores laterais. Agora, o camisa 8, participa efetivamente da saída de bola ao se posicionar entre os zagueiros ou no lado direito. Assim, Samuel Xavier avança e se posiciona bem aberto.

Os zagueiros seguem tendo participação importante na saída de bola. Seja com conduções em direção ao campo ofensivo ou com passes longos na diagonal. Se o adversário impõe dificuldade na saída de jogo de pé em pé, a bola longa para disputa de 1º e 2º bola aparece como uma solução.

O goleiro Fernando Prass direciona o lançamento para Charles nos corredores laterais. Sempre com o intuito de vencer o duelo da 1º e 2º bola e acelerar ou se organizar no campo ofensivo. Estando no campo adversário, o Ceará utiliza da amplitude (jogadores bem abertos) dos laterais ou de um ponta e o lateral para alargar o campo e gerar espaço por dentro. Dessa forma, os jogadores que estão por dentro têm espaço para poder desequilibrar com um passe ou drible, ou até mesmo arriscar uma finalização de fora da área.

Não é raro os dois laterais do Ceará atacarem ao mesmo tempo. No entanto, os volantes não sobem e dão uma sustentação defensiva por trás da jogada. Em outros momentos, pode-se notar que a equipe ataca com 5 jogadores mais o lateral do setor da bola. Assim, o lateral oposto fecha pelo meio se alinhando ao volante que ficou mais recuado. Em situações de placar adverso ou de intensa pressão, também é possível presenciar a equipe atacando com 7 jogadores.

PONTO DE DESEQUILÍBRIO

Ceará Leandro Carvalho
Leandro Carvalho é o atacante com maior capacidade de desequilibrar com dribles no elenco do Ceará (Dados: WyScout)

As jogadas ofensivas do Ceará se desenvolvem na maior parte pelos corredores laterais. E o lado direito é o mais forte da equipe Alvinegra. Samuel Xavier, Vina, Ricardinho e Leandro Carvalho buscam troca de passes rápidas aliadas a constante mobilidade e infiltrações para chegar a linha de fundo ou a grande área.

E o ponta direita, Leandro Carvalho, é um jogador chave nesse processo de conquista de território. Pois o camisa 80, consegue resolver problemas em espaços de habilidade (pequenos) e de força (grande). Em oito jogos pelo Ceará tem uma média de 8 dribles por partida com uma taxa de êxito de 50%. E através dos dribles, Leandro Carvalho, consegue abrir espaços para finalizar as jogadas ou passar para os companheiros em posição vantajosa.

COMO DEFENDE O CEARÁ

Ao perder a bola os jogadores do Ceará buscam realizar uma pressão imediata para tentar recuperá-la. Não conseguindo a recuperação, Charles avança de forma agressiva para pressionar o jogador adversário com a bola com a fim de impedir o avanço. Enquanto o adversário é pressionado, os demais jogadores buscam retornar as posições de origem para se reorganizar.

Não tendo sucesso na recuperação da posse de bola, o Ceará se reorganiza e entra em organização defensiva. Com duas linhas de quatro (4-4-2) e tendo Sóbis e Vina alinhados, a equipe procura pressionar o jogador adversário com a bola e induzi-lo para o lado para que fique mais longe do gol e através da superioridade numérica e da qualidade dos próprios jogadores consiga pressionar e impedir o avanço. Os volantes Charles e Ricardinho são os responsáveis por subir a pressão pelo corredor central.

AJUSTES NA BOLA PARADA DEFENSIVA

Se a bola parada ofensiva é uma arma com Luiz Otávio, Pagnussat, Brock e Klaus. Defensivamente, a equipe do Ceará voltou a demonstrar instabilidade e erros de execução. Diante do Fortaleza, a equipe de Guto Ferreira tomou dois gols originados de escanteio. As falhas foram de posicionamento na primeira trave e também nos jogadores que ficam à espera do rebote na entrada da grande área.


LEIA A ANÁLISE DOS OUTROS CLUBES

Athletico Paranaense; Atlético Goianiense; Atlético/MG; Bahia; Botafogo; Corinthians; Coritiba; Flamengo; Fluminense; Fortaleza; Goiás; Grêmio; Internacional; Palmeiras; Red Bull Bragantino; Santos; São Paulo; Sport Recife e Vasco da Gama.

Compartilhe
Jonatan Cavalcante

Comente!

Tem algo a dizer?